Quarta-feira, 26 de Dezembro de 2012

E a rainha, caramba? Então, e a rainha?

 

 

Bem sei que a altura é pouco propícia para aprofundar o que quer que seja para além do recheio do perú, a confecção do bacalhau, as filhós ou as empanadilhas, mas que diabo, há coisas que não se deixam passar em branco.

 

Que aquele fulano associe o frango do Helton às bolas-na-mão-mãos-na-bola do Alex Sandro, até não deixa de ter a sua piada. Teve o seu quê de bem lembrado, e até espantou por vir de onde veio.

 

Agora, aquela história da rainha de Isabel…Que raio foi aquilo?!

 

Logo quando ouvi, não atingi o alcance da coisa, e muito sinceramente, até agora tenho bastas e fundadas dúvidas quanto ao seu sentido.

 

Os jornalistas da nossa praça, como de costume, ficaram-se pelo soundbyte, e limitaram-se a passar o dichote, sem minimamente o explicar ou comentar. E a turba deliciou-se, como de costume.

 

Ainda tive a esperança de ver esta questão, dada a sua inquestionável importância, tratada e esclarecida em algum dos blogues de referência, mas, qual quê. Népia.

 

Entretanto, para alguns, a comparação com a rainha Isabel, pretenderia sugerir tratar-se o presidente do FC Porto, "de uma mera figura de corpo presente".

 

Será isso? Uma reedição da versão de 2007, do "estrebuchar do morto"?

 

Nem vale a pena lembrar o que o dito “morto” venceu desde então, e muito menos compará-lo com as vitórias do suposto “vivo”.

 

É verdade que também foi isso pensei inicialmente. Lembrei-me de um recente Procurador-Geral da República que, reflectindo sobre os seus poderes, disse um dia que mandava tanto no Ministério Público, como a Rainha de Inglaterra, no seu país.

 

Mas fará isto sentido? Como é que uma “rainha Isabel” ou um “morto” conseguem deter nas suas mãos o controle sobre tanto ou tão pouco, que o último título conquistado é apelidado de “um tributo aos árbitros”?

 

Quererá isto dizer que acabou o “sistema”? Que vamos deixar de ter no final de cada temporada encerrada com a conquista singela da Taça Lucílio Baptista, as desculpas esfarrapadas do costume?

 

Querem ver que, apesar das trapalhadas do Paulo Pereira Cristóvão, o eixo em torno do qual gira o controlo do nosso futebol se desviou mesmo para outras bandas?  

 

Hmm! Custa-me a crer que assim seja, e ainda mais que aquele fulano o proclame assim, de forma tão desabrida.

 

No entanto, que outras alternativas poderemos aventar para explicar aquela comparação?

 

Ainda me lembrei da viragem do FC Porto para o mercado argentino (e mexicano, mais recentemente!), onde resgataram alguns jogadores das garras de um outro clube, e da questão das Falkland.

 

Mas isso, para além de excessivamente rebuscado, teve mais que ver com a Dama de Ferro, do que com a Rainha.

 

Estaria a comparar a longevidade de ambos? Não há dúvida que o reinado da rainha Isabel II, é um dos mais longos de sempre, mas, ainda assim…

 

Seria uma crítica implícita à sucessão de mandatos do presidente do FC Porto? Assentaria mal a alguém reeleito em sucessivas eleições “enver hoxhianas”, ir por esse caminho. Porém, não seria nada estranho. Mas também não me parece.

 

Que mais poderá ser? Quereria referir-se ao desespero que os putativos sucessores, tais como os da rainha Isabel, deverão sentir por não verem o nosso presidente arredar-se do seu lugar?

 

Bem, no caso inglês, o sucessor é apenas um, e está dinasticamente seleccionado. No nosso, que se saiba, ainda não há quem, até à data, se tenha chegado à frente. Logo, também não deverá ser por aí.

 

Estará apenas, tal como aconteceu em 2009/2010, a tentar passar a imagem de que está na crista da onda, para que esta, submissiva, arraste o seu clube até à babugem da vitória? É possível.

 

Mas é arriscado. O contexto de 2009/2010, não é o de hoje. Diria mesmo que a conjugação das condições de então, se não é irrepetível, muito dificilmente se repetirá.

 

Ou seja, por mais voltas que dê, não consigo chegar a uma resposta satisfatória sobre o significado daquela enigmática comparação.

 

Se não estivéssemos a viver estes tempos conturbados de crise, era capaz de dar uma recompensa a quem me ajudasse nesta demanda. Assim, dada a quadra natalícia que ainda atravessamos, limito-me a apelar ao Vosso melhor espírito de partilha, para dilucidar esta questão.

 

É que, de outra forma, receio que o homem dos apêndices auditivos protuberantes se fique a rir sozinho, e a minha professora da primária ensinou-me, e nunca mais me esqueci, que quem ri sozinho é palerma.

 

sinto-me:
música: God save the Queen - Sex Pistols
publicado por Alex F às 18:21
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Azul Dragão a 28 de Dezembro de 2012 às 18:34
Meu caro :

Saiu-lhe ... nada mais (acho eu ) !


Abraço
Bom Ano Novo

Comentar post

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds