Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2013

O Incomparável Maximiliano

Nas minhas deambulações bluegosféricas, não pude deixar de notar os comentários depositados em algumas caixas apropriadas para o efeito, por adeptos benfiquistas.

 

Com uma consternação, que me apertou o coração e quase uma lágrima a desaguar no canto do olho, constatei a comovente mágoa irreprimida desses adeptos, feridos por certo, na sua inabalável dignidade clubística, pelos aleivosos comentários produzidos pela mente torpe do nosso treinador, e em seguida verbalizados sem a necessária e conveniente pausa reflexiva sobre a matéria, a propósito da actuação desse ícone supremo e tantas vezes incompreendido, da leal e sã prática desportiva que dá pelo nome de Maximiliano Pereira, familiarmente conhecido por Maxi.

 

E com toda a razão deste Mundo, e eventualmente de outros. De tal sorte que, abertos de par em par pelo seu fervor de adeptos do maior clube da Terra, os majestosos portões da clarividência, trataram de demonstrar-nos, reles trupe de néscios, ignaros incapazes de distinguir um fora-de-jogo dum jogo fora, que, do nosso lado, outros houve face aos quais o Maxi, na sua imaculada inocência, poderia pedir meças à Madre Teresa de Calcutá, ela própria. 

 

Este era, também, um dos motivos porque queria ver aquele que [f]oi um jogo entre duas grandes equipas, um grande espectáculo”, e onde o ”João [“pode vir o João”] Ferreira fez uma grande arbitragem”.

 

Finalmente consegui vê-lo no meu online favorito. E o que foi que vi? Entre outras coisas, aquilo que se segue:

 

1’ - primeira falta do Maxi Pereira, não assinalada pelo árbitro-que-fez-uma-grande-arbitragem,;

 

3’ – pisadela do Matic ao Defour;

 

5’ – falta do João Moutinho;

 

6’ – dupla falta do Maxi Pereira. Não assinalada a primeira tentativa, à segunda não falhou;

 

9’ – Alex Sandro faz falta, salvo erro sobre o Sálvio. O árbitro dá a lei da vantagem, e este último segue com a bola controlada. Quando fica cara-a-cara com um adversário, o árbitro decide assinalar a falta;

 

17’ – Jardel tenta obstruir, com contacto físico, o Lucho Gonzalez. O árbitro nada assinala;

 

24’ – Pisadela do Fernando a um adversário;

 

25’ – Falta, sem bola, do Maxi Pereira;

 

27’ – Lucho Gonzalez faz falta, o árbitro não assinala, e dá a lei da vantagem;

 

37’ – Falta do João Moutinho;

 

38’ – Cotovelada do Enzo Pérez ao João Moutinho;

 

41’ – Lance entre o Mangala e o autor do golo fantasma. O árbitro nada aponta;

 

41’ – Na sequência da jogada anterior, é assinalada falta do João Moutinho sobre o Lima, numa jogada em que este simula a bom simular, a falta que não existe. Peso na consciência da jogada anterior, ou apenas uma melhor posição para quem marca a falta?

 

43’ – 41% de posse de bola para a equipa da casa, 59% para o FC Porto;

 

46’ – Nova pisadela do Fernando;

 

51’ – Nova falta inexistente assinalada ao João Moutinho;

 

52’ – Falta inexistente, desta vez apontada ao Lucho Gonzalez;

 

53’ – Falta do Enzo Pérez;

 

58’ – Nova falta sem bola não assinalada, do Maxi Pereira;

 

59’ – Mais uma falta não assinalada ao Maxi Pereira;

 

61’ – Falta do Matic;

 

64’ – Uma nova falta apontada ao João Moutinho, mas que não existe;

 

71’ – Falta do Alex Sandro;

 

73’ – 11 faltas para a equipa da casa, 15 para o FC Porto. Como se pode constatar, nas minhas contas não estão incluídas todas as faltas. Não queriam mais nada? Como a paciência não abunda, limitei-me àquelas perpetradas pelos que considerei serem, ou poderem vir a ser, os actores mais relevantes.

 

Curiosamente, o número a que chego para a equipa da casa, entre as que efetivamente existiram e foram assinaladas, e as que passaram em claro, coincide com o da estatística.

 

Para o FC Porto, contabilizo menos três faltas. Por aqui podem aferir da fiabilidade deste estudo exaustivo.

 

75’ – Falta do Matic;

 

76’ – Falta do Carlos Martins;

 

78’ – Nova falta do Matic;

 

81’ – Falta do João Moutinho;

 

81’ – Falta não assinalada do Maxi Pereira;

 

84’ – Falta do Maxi Pereira;

 

88’ - 48% de posse de bola para a equipa da casa, 52% para o FC Porto;

 

92’ – Falta do Mangala;

 

94’ (final do jogo) - 50% de posse de bola para a equipa da casa, 50% para o FC Porto;

 

Algumas das pérolas acima mencionadas, poderão ser visualizadas no vídeo que se segue,  da lavra dos Guerreiros da Invicta:

 

 

 

Portanto meus amigos, vamos ser um bocadinho sérios e objectivos. Não estaremos a comparar o incomparável?

 

Ora se ao Maxi Pereira, entre faltas com bola e sem bola, lhe são apontados quatro atropelos às leis do jogo, e ficam por assinalar outros cinco, a que título é que o vamos comparar, por exemplo, com o João Moutinho?

 

O João Moutinho fez faltas, é verdade. Nada mais, nada menos, que três. Contudo, foram-lhe assinaladas mais duas, cortesia das quedas aparatosas de Gaitán, Sálvio, Enzo Pérez, Carlos Martins, e Cia. Lda.ª.

 

Ao Lucho Gonzalez, outro dos escolhidos para a comparação, foi-lhe apontada uma única infracção, que logo por azar, não existiu. A que efectivamente cometeu não foi assinalada, compensada pela lei da vantagem.

 

Tentemos o Fernando. Deu duas pisadelas a adversários, ou pisões, que não de Moura, se preferirem. Mais uma que o Matic. Caso para expulsão? E a cotovelada do Enzo Peréz ao João Moutinho?

 

Então e o lance do Mangala com o marcador do golo fantasma? Um faz-se ao lance em movimento para diante (Mangala), o outro, às arrecuas. O choque no ar é inevitável. Quem entra de frente, tendo noção de onde se encontra o adversário e da inevitabilidade do choque, faz por proteger-se, utilizando o(s) braço(s)/cotovelo(s).

 

Para mim, é um lance perfeitamente casual, mas não me chocaria que o árbitro assinalasse falta, apenas pela vantagem que detinha o defesa, de frente para a jogada, e pela forma menos prudente como se fez ao lance.

 

Não entrou de cotovelos à frente, naquela que o diga o Sapunaru, é uma das especialidades do seu adversário naquele momento. Para além dessa, não obstante todo o vigor físico que aplica na refrega, só cometeu mais uma falta, e no dealbar da partida.

 

E o lance do Jardel sobre o Lucho?

 

Ou seja, meus caros, não há comparação possível entre aquilo que é o Maxi Pereira, e que por não querer, nem que seja por mero acidente, ofender a sua progenitora, vou abster-me de enunciar, e o que são e fizeram durante aquele jogo, outros jogadores, de ambos os lados.

 

O Maximiliano segue na esteira de outros que vestiram aquelas cores, e assim de repente vêm-me à mente os nomes de um Mozer, um Schwarz ou um Veloso, quando as forças começaram a minguar.

 

E também não adianta compará-lo com alguns outros que envergaram a nossa camisola, como tanto lhes apraz fazer, recordando Fernando Couto, Jorge Costa, Paulinho Santos ou Bruno Alves.

 

Há uma diferença insanável entre estes e o Maxi Pereira, que ficou bem patente neste desafio: o proteccionismo que lhe é tributado pela equipa de arbitragem.

 

Fernando Couto, Jorge Costa, Paulinho Santos ou Bruno Alves, foram aquilo que foram em campo, por sua própria conta e risco. Mais tarde ou mais cedo, acabaram por sofrer na pele as consequentes punições pelos seus actos, quiçá menos vezes do que o mereceram.

 

O que acontece com esta espécie de gladiador, como lhe chamam, dos tempos modernos, é que fá-las perfeitamente consciente de que permanecerá imaculadamente inimputável, o que apenas concorre para intensificar o dolo da sua conduta.

 

Por isso, tenham juízo, que desta vez até têm razão: o Maxi Pereira é, verdadeiramente, incomparável!

sinto-me:
música: Nothing compares 2 U - Sinnead O' Connor
publicado por Alex F às 13:19
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Donnie Darko a 17 de Janeiro de 2013 às 21:08
Boas,

só uma achega à tua pesquisa

No fim da primeira parte tinhamos cerca de 60% de posse de bola.

Durante 30 minutos da segunda parte o jogo não foi muito diferente, certo?

Ok que o carnide teve mais posse nos últimos 15 minutos mas terá sido suficiente para acabar o jogo 50-50?

Aqui segue um link do publico. para eles acabou com 57% (FCP) - 43% (SLB).

http://www.publico.pt/desporto/noticia/empate-no-classico-mantem-tudo-na-mesma-entre-o-benfica-e-o-fc-porto-1580585

Para além do golo fantasma será que temos também posse de bola fantasma?

Curioso, ou não, o site da Liga também indica 50-50... mas convém relembrar que no mesmo site o tacuara marcou os 3 golos do carnide sobre o zbording, coisa que nem A Bola teve o displante de fazer, tendo atribuido apenas 2 golos ao cardozo...

Abraços

PS: Olha que no Publico nas estatisticas os azuis são os de carnide...
De Alex F a 17 de Janeiro de 2013 às 22:38
Obrigado pela achega Donnie,

Eu fiquei estúpido quando vi a estatística final, pois recordava-me perfeitamente da dos 98 minutos (a da primeira parte não liguei muito...).

De facto, tiveram mais posse nos minutos finais, mas ainda assim, vendo o jogo, a bola ainda esteve algum tempo do nosso lado, e em terra de ninguém.

Não sei porquê, mas não me parece muito fiável o empate na posse. Na volta alguém se terá esquecido de parar o cronómetro por alguns instantes...
De penta1975 a 17 de Janeiro de 2013 às 22:26
@ Alex

não faltou nada a essa pesquisa :D

excelente! "posta de pescada", sim senhor.

abr@ço
Miguel | Tomo II
De Alex F a 17 de Janeiro de 2013 às 22:41
Boa noite Miguel,

Faltaram alguns pormenores. Não tive paciência para assinalar todas as faltas. É como disse, assinalei só daqueles a quem tentaram comparar o Maxi, e mais uns quantos.

Penso que é suficiente para transmitir a ideia a que queria chegar.

Obrigado e um abraço

Comentar post

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds