Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2013

As venturas e as desventuras de um palhaço acrobata (numa corda muito pouco bamba) – O Início

Depois da exibição medíocre de ontem, na noite escura e chuvosa de Setúbal, não admira que o brilho resplandecente do resultado obtido tenha encandeado alguns órgãos da dita comunicação social, tais as dificuldades que denotam para reproduzi-lo nas suas primeiras páginas.

 

Salva-se “O Jogo”, que mais não seja, mas do qual costumam coexistir duas versões geograficamente distintas, de que só conheço a que se segue.

 

 
 

 

O FC Porto alcançou o primeiro classificado no topo da tabela, e é segundo ex-aequo, tendo em conta a diferença de golos marcados e sofridos? Bah! O Levezinho, que resolve, chegou à Invicta.

 

Está a apenas dois golos de passar a primeiro de facto, ainda que ex-aequo? Sim, sim. E o Jesualdo? O que é ele anda a fazer?

 

Jogámos sem o James Rodriguez, sem o Fernando, sem o Atsu, sem o Varela, excepção feita ao lance do penálti, sem o Kelvin, à parte o penteado, e já agora, sem o Izmaylov? E depois? O Maicon até regressou.

 

O Jackson Martinez é, neste momento, o melhor marcador da prova? Balelas! Imaginem o forrobodó que para aí andaria se fosse o Cardozo, com penáltis e golos fantasmas à mistura…

 

Business, as usual, como sempre.

 

Também não tardará muito para que mais uma saraivada de comentários depreciativos se abata sobre o nosso treinador.

 

 

Recordo o que dele dizia Miguel Sousa Tavares, na sua última crónica, que [é] bom a dar consistência à equipa; é mau a dar-lhe criatividade, a correr riscos necessários, a apostar e a desamarrar os jogadores de desequilíbrio”.

 

A imagem generalizada, é a de que Vítor Pereira é temeroso, por contraponto com o treinador do nosso principal adversário, um caso paradigmático de temeridade.

 

Será assim? Será o timoneiro da nossa nau, assim tão avesso a correr riscos?

 

Quem tem por hábito visitar este humilde poiso, terá percebido que não morro de amores por ele. É verdade. Porém, nem tanto ao mar, nem tanto à terra, e além disso, não suporto que o comparem a outros, designadamente ao tal, elevando este aos píncaros, e rebaixando o nosso. É coisa que me irrita solenemente.

 

Mas afinal, qual dos dois corre verdadeiramente mais riscos? É a análise que proponho, tendo em conta os seguintes parâmetros:

 

- características das equipas/modelo de jogo;

 

- apreciação do modelo de jogo pelos adeptos;

 

- gestão do plantel;

 

- lançamento de novos jogadores;

 

Vejamos então.

 

Modelo de jogo.

 

Conforme escrevi no último texto, o sumo que retirei da leitura dos três trechos então reproduzidos, no que toca às características das duas equipas, resume-se em parte, a que a nossa está mais talhada para jogar com equipas da sua igualha ou até ver, de nível superior, ao passo que o adversário conveniente dos nossos rivais será tendencialmente da sua categoria para baixo.

 

 

Ora bem, atenta aquela que é a realidade do nosso panorama futebolístico, como ontem pudemos sobejamente constatar, e pensando apenas na Liga Zon Sagres, o nosso modelo de jogo estaria ajustado a quantos jogos? Com boa vontade, seis. E ainda há alguns que fazem o possível por reduzir esse número.

 

Comparativamente, do outro lado passar-se-á exactamente o inverso. Tomando como o exemplo o recente clássico, o modelo da cavalgada heróica, se algumas dificuldades experimentar na sua implementação, resumir-se-ão a apenas esses mesmos seis jogos, quando não forem menos.

 

A vocação da nossa equipa direcciona-a claramente mais para as competições europeias, do que para as internas. Só que, a essa escala, quase tudo pode acontecer, desde Dínamos de Zagreb a Apoeis.

 

O grau de aleatoriedade da aposta é sempre, necessariamente mais elevado.

 

Assim sendo, quem arrisca mais?


Nota: Com um bocadinho de sorte, os demais pontos seguir-se-ão dentro em breve. A não ser que esta primeira parte dê azo a demasiadas reclamações…

sinto-me:
música: Entre a espada e a parede - Rádio Macau
publicado por Alex F às 13:21
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De penta1975 a 25 de Janeiro de 2013 às 00:26
eu só reclamarei se não houver mais.
é que os pontos que se seguem são bem mais "intrincados"

não é uma ameaça, é um aviso pertinente (pela seriedade que lhe é inerente) :D
«partantos», dá lá da perna e das volats que tiveres a dar, mas exijo mais :D

abr@ço
Miguel | Tomo II

De Alex F a 25 de Janeiro de 2013 às 11:52
Lamento informar-te Miguel, mas acho que hoje já não vai sair. :(

Talvez só para a semana. Tenho o texto quase todo alinhavado na cabeça, e em parte escrito, por isso já não falta tudo. Vamos ver se não me dá nenhum ataque de amnésia :;

Abraço

Comentar post

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds