Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2013

Se um ex-Secretário de Estado da Cultura pode, eu também posso

Antes de mais, faço desde já uma declaração de princípios. Acho que faz aqui todo o sentido, pois se a fizesse mais para diante, seria, quanto muito, uma declaração de meios ou de fins.

 

 

Não me agrada a expressão: “vai tomar no cú”. É um brasileirismo, e bem sei que agora temos o Acordo Ortográfico, e sei lá mais o quê, mas não gosto.

 

Neste caso, sou muito bairrista e dou francamente preferência à produção nacional. Muito antes prefiro o nosso equivalente “vai levar no cú”, ou em português suave, “vai levar na peida”.

 

No entanto, o “tomar no cú” tem história no nosso futebol.

 

Primeiro foi o episódio entre o Rochembach e o José Peseiro, em que o primeiro, ao ser substituído num jogo, mandou o então seu treinador “tomar no cú”. Ainda que não audível, foi na altura perfeitamente legível para qualquer um atento e familiarizado com a expressão.

 

O Peseiro, contudo, permaneceu ostensivamente imperturbável, dentro daquele que é o seu padrão de comportamento nos jogos das equipas que orienta: não é nada com ele.

 

A outra situação envolveu o João “pode vir o João”, num desafio nos Barreiros entre o Marítimo local, e a sua equipa do coração.

 

Nesse, a sorte saiu ao Olberdam, que acabou expulso por sugerir a um colega de equipa que fosse “tomar no cú”.

 

O João “pode vir o João”, homem militar, habituado ao convívio castrense com outros tantos, fardados iguais a si, levou a coisa a peito, e não lhe perdoou.

 

Ou por outro motivo qualquer. No meu caso, por uma estranha associação de ideias, as fardas fazem-me sempre lembrar dos “Village People”. E depois ainda por cima em quartéis… A mim, o último sítio onde me apanhavam era num submarino.

 

Por favor, não interpretem mal o que acabaram de ler. Não era minha intenção ofender quem quer que fosse, excepção feita, por motivos óbvios, ao João “pode vir o João” Ferreira. É apenas uma questão pessoal de convicção e pura ignorância.

 

Voltemos porém à vaca fria. Mais do que uma questão de preferência pessoal, o “vai levar no cú”, possibilita um espectro de aplicação mais vasto, e com menos contra-indicações do que, por exemplo, um “vai para a puta que te pariu”.

 

Neste, o desconhecimento da ocupação profissional da progenitora do sujeito objecto da recomendação, ou o simples facto de este ter sido defecado em vez de parido, constituem óbices decisivos ao sucesso do empreendimento prescrito.

 

 E, que nem de propósito, eis que chegamos ao Vítor Serpa e ao seu último editorial, onde, a propósito da decisão do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, sobre a exclusão do FC Porto da Taça Lucílio Baptista, podem ser lidas pérolas, como as que se seguem.

 

  “ (…)

 

 Tivemos acesso ao documento da instrução do processo sobre o caso, que apontava para uma falha evidente dos serviços administrativos do FC Porto, que teria consentido utilizar três jogadores em situação irregular num jogo da Taça da Liga. as consequências indicadas nesse documento eram óbvias: o FC Porto não tinha como escapar do castigo de ser eliminado da prova.

 

 (…)

 

 É para nós evidente que o CD da FPF decidiu com estranha e inesperada parcialidade, por motivos e razões que só esse órgão colegial intimamente conhecerá - uma opinião que não podemos evitar, em face dos factos.


Nada garante que essa seja a decisão definitiva - em virtude do recurso hierárquico que assiste ao Vitória de Setúbal
. Mas já cá andamos há tempo suficiente para sabermos o que uma vez nos disse o saudoso árbitro Vítor Correia, que nos lembrava sempre de que houve um dia em que viu um porco a andar de bicicleta e que, a partir desse dia, tudo se tornava possível neste desfigurado futebol português...”

 

Todos sabemos, na sabedoria popular como aqui, quem são os destinatários das pérolas, e este é, sem dúvida, um belo exemplo de algo que só poderá tipicamente, provir da pena, ou nestes tempos modernos, do teclado, de alguém que foi cagado, e nunca parido.

 

Assim sendo, fazendo votos para que o espírito de um qualquer Alfredo Farinha, menos chato, é certo, abandone o corpo do Vítor Serpa, e na convicção de que, de portista para portista, o Francisco José Viegas por certo não se importará com este plágio de uma expressão, que afinal, até é popular, digo muito respeitosamente:

 

Vai tomar no cú, Vítor Serpa!

sinto-me:
música: In the navy - The Village People
publicado por Alex F às 13:16
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De António Rocha a 18 de Fevereiro de 2013 às 17:56
Ler o seu texto deixou-me com um sorriso rasgado nos lábios. Afinal nem precisamos de brasileirismos para colocar burros como esse Serpa no seu devido lugar. Vozes de burro não chegam ao céu, é o adágio mais apropriado para a diarreia publicada por esse conhecido aselha do jornalismo desportivo.

Parabéns pelo blog Azul ao Sul - belíssima metáfora - e gostava de lhe dizer que já tive o prazer de o ouvir de viva voz, naquele encontro da bluegosfera, em Julho do ano passado, em que estive presente, embora seja apenas um adepto interessado pela actualidade dessas camisolas mágicas listadas de Azul e Branco.
De Alex F a 18 de Fevereiro de 2013 às 23:09
Obrigado.
No fundo, era essa a minha intenção. Pegar naquela tristeza que é o Serpa, e os outros Serpas que por aí andam, e rir um pouco à custa dele(s).

Ainda bem que houve "apenas adeptos interessados pela actualidade dessas camisolas mágicas listadas de Azul e Branco", que se deram ao trabalho de marcar presença naquele encontro.

Agradeço-lhe também por isso, e volte sempre.
De penta1975 a 19 de Fevereiro de 2013 às 17:04
foi graças a esse Amor comum «pela actualidade dessas camisolas mágicas listadas de Azul-e-Branco» que um grupo (fantástico) de maluquinhos trocou uma bela ida à praia e/ou afins, por um sarau de (quase) cinco horas num auditório, a ouvir correlegionários sobre esse "tal" Amor :D

abr@ço
Miguel | Tomo II
De Alex F a 20 de Fevereiro de 2013 às 09:45
A cada qual, a sua praia :D

...e logo eu, que sou fã das duas!!

Abraço
De Ribeiro Deepblue a 18 de Fevereiro de 2013 às 19:55
Aquele penteado e aquele bigode terão sido cagados?
Paridos não foram certamente pois ninguém consegue parir penugem tão ridícula e nojenta.
Trazer à colação o "Farináceo" é um achado, pois tal criatura desperta em mim os tais movimentos intestinais necessários ao acto de...criar um Serpa.

Em contrapartida, ter um cagalhão como o Serpa ao lado dum "Delgado" é demasiado fácil e óbvio em termos de piadas.

Grande post.
De Alex F a 18 de Fevereiro de 2013 às 23:11
Obrigado.
Só faltou dizer que estamos perante um tratado de gastroenterologia ;)

Comentar post

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds