Quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2013

E agora? Que se lixe a Taça Lucílio Baptista!

 

Gosto muito de ganhar, e quero sempre, em qualquer competição onde o FC Porto entre, que vença.

 

A Taça Lucílio Baptista, pelos mais variados motivos, desde a sua origem ao seu histórico, é quase a excepção que confirma esta regra.

 

Digo "quase", por três motivos. Conquistando-a nós, de preferência, ou qualquer outro clube, é um grande desgosto de partir o coração que se inflige àquele clube que arrecadou o troféu nas quatro últimas edições, e o tinha (quase) como seu.

 

Como, apesar de tudo, ainda entram em linha de conta com aquela porcaria para a contabilização dos títulos oficialmente conquistados, não a vencendo o tal dito clube, é menos essa oportunidade que usufrui para se aproximar de nós no computo geral, que não o do "Record", e portanto, aquele que ignora a Taça Latina.

 

Por esta ordem de ideias, o nosso triunfo permite-nos somar mais um título, e eventualmente manter o status quo, no tocante a troféus, ou ampliar a diferença.

 

Depois, porque conquistá-la, ou a qualquer outro troféu, frente ao dito clube, tem sempre um gostinho especial.

 

Dentro desta lógica, eliminada pelo SC Braga do José "morre na praia" Peseiro, aquela que seria inevitavelmente, a nossa maior fonte de inspiração, a coisa perde o interesse.

 

É mais uma taça? Pois é. É uma competição em que ainda não nos estreámos a vencer? É verdade. Mas ainda assim, preferia ir à final da Taça de Portugal, em Oeiras.

 

Por mim, agora o dr. Herculano Lima, e os senhores e senhora(s?) do Conselho de Justiça da Federação, bem podem excluir-nos da prova. Seria a saída mais airosa e indolor possível.

 

Além disso, convém não esquecer, como fizeram por várias vezes os totós Ribeiro Cristóvão e Jorge Baptista, que, independentemente da decisão que recaia sobre o recurso do Vitória sadino, ainda está em prova o Rio Ave.

 

Agora, vamos aguardar que amanhã, passado o choque da eliminação, e uma vez consultados todos os onlines possíveis, a burrical intelligentzia desportiva lusa acorde para a vida, e se aperceba do penálti que ficou por marcar sobre o Enzo Perez, e que o Quim, nos penáltis que defendeu, estava pelo menos, metro e meio para diante da linha de golo.

 

Hoje, até agora, o silêncio foi total, e a capacidade de análise esgotou-se nas ausências do Matic, do Sálvio e do Lima. Devagar, devagarinho, e marcha atrás, é o lema. Há que fazer render o peixe... 

sinto-me:
música: Circle - Edie Brickell & The New Bohemians
publicado por Alex F às 22:35
link do post | comentar | favorito
|

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds