Quarta-feira, 2 de Outubro de 2013

Fiiiiiiiiiiiu, pum!

 

Há algum tempo que andava a ameaçar. Há algumas semanas que vinha em queda, e agora espero que tenhamos atingido o fundo, e que não nos esteja reservada nenhuma surpresa desagradável para Arouca.

 

E, no fundo, aconteceu com o Atlético de Madrid, e em pleno Dragão, mas não teve grande coisa de novo.

 

A derrota aconteceu fundamentalmente, por duas ordens de factores: anímicos e tácticos, e dentro destes últimos, a parte física.

 

Só a componente anímica é que poderá explicar que uma equipa que faz 30 minutos iniciais em alta rotação, marque um golo e, quase instantaneamente, se retraia no campo, e deixe o adversário assumir as rédeas da partida, para depois, quando este alcança o empate, retornar a uma postura ofensiva.

 

Complexo de treinador de equipa pequena?

 

Não me parece. O Villas Boas tentou recriar o "repouso com bola", do Mourinho, mas não conseguiu grande coisa, e esta era uma imagem de marca do Vítor Pereira. Portanto, é algo que vem de trás, e que parece estar inculcado profundamente na psique do jogadores.

 

Contudo, na época passada, com as elevadíssimas percentagens de posse de bola, e em grande parte do tempo, no primeiro terço do terreno contrário, a coisa era menos arriscada.

 

Era o tal jogo de posse de que falava o treinador, e que resultava porque tinhamos jogadores para tanto, leia-se, o João Moutinho.

 

E a equipa parecia confortável neste estilo de jogo. Pudera, digamos que com os jogadores que tinhamos, era sem dúvida o menos arriscado. Sem um excessivo desgaste, dava para o gasto em termos internos, e com alguma estrelinha, talvez resultasse na Champions. Não resultou.

 

Passa-se o mesmo agora. Para já, não vejo no nosso plantel homens com capacidade para levar para além dos 30 minutos, o dinamismo evidenciado neste jogo.

 

O que nos leva à componente táctica. Pelo que percebi dos comentários que fui ouvindo ao longo do relato radiofónico, no Atlético de Madrid terão faltado ontem dois habituais titulares: Diego Costa, substituído pelo Baptistão, que quase não se viu, e o Koke, tendo entrado no seu lugar o Raúl Garcia.

 

Ou seja, o Diego Simeone não teve problemas em retirar um jogador criativo do meio-campo para diante, e colocar um homem para cobrir a ala, e lá adiante, dois avançados abertos a entrarem entre os laterais e os centrais.

 

Aos quatro centro-campistas espanhóis, contrapusemos nós apenas dois homens, que, quanto a mim, até foram os melhores em campo: Fernando e Defour.

 

Logo, em clara desvantagem, ainda mais agravada porque o auxílio dos extremos não existiu. Josué, claramente, está fora do seu habitat junto à linha, e Varela, está fora de si próprio. O Lucho andou lá por diante, muito perdido, quer entre linhas, quer quando se integrou na linha dianteira.

 

Os laterais, entre as claras dificuldades que têm vindo a sentir nos últimos tempos, com alguma dose bastante razoável, de uma menor concetração competitiva, e a preocupação com o posicionamento dos avançados contrários, também pouco ou nada ajudaram.

 

Portanto, a única forma de a coisa resultar, como em qualquer esquema táctico, seria pelo dinamismo que os intérpretes revelassem na vertente ofensiva, ou pela sua capacidade de fazer girar a bola entre si, sem dar abébias monstruosas, como a do segundo golo espanhol, do ponto de vista defensivo.

 

O dinamismo durou meia-hora, e entrámos em modo de contenção. Não havendo matéria-prima tanto para uma coisa, como para outra, o resultado foi o que se viu.

 

Agora resta-nos esperar que contra o Arouca, aquela meia-hora possa esticar-se mais um bocadinho, ou então, que meia-hora seja suficiente... 

sinto-me:
música: Falling - Julee Cruise
publicado por Alex F às 22:59
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Azul Dragão a 4 de Outubro de 2013 às 17:55
Foi um bom jogo (apesar de...)


Abraço

Comentar post

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds