Segunda-feira, 21 de Setembro de 2009

Haja Paciência

 

Como diria o "Gato Fedorento", digamos que fiquei "medianamente" lixado com a derrota do FC Porto em Braga.

 

É certo que o FC Porto perdeu, e isso irrita-me, mas, dentro de tudo, houve atenuantes para que não ficasse completamente lixado.

 

Vejamos, ou melhor, não vejamos, porque não vi o jogo. Só uns quantos comentários, a jogada do penálti do Álvaro Pereira e o golo do Alan. Não sei se o FC Porto jogou bem ou mal, mas por aquilo que ouvi e vi, o Pedro Proença até perdoou uma grande penalidade ao FC Porto.

 

Estava a começar a detectar no Álvaro Pereira uma perigosa tendência para fazer faltas estúpidas nas proximidades da área, e claro, agora aprimorou-se, e cá vai disto, mesmo dentro da área.

 

E quanto ao golo, o que dizer de um golo assim? "Ponham o Beto no lugar do Helton"?! Será que adiantava? Não sei, mas não me parece.

 

Mas isto são só pormenores. O que irrita verdadeiramente é que foi preciso o FC Porto perder em Braga, para alguns palermas engolirem em seco aquela estupidez do jogo com o Sporting de Braga, não passar de favas contadas, porque o Domingos havia de fazer um favorzinho ao Porto.

 

Cambada de idiotas! Então só porque o homem jogou em tempos no FC Porto, e é portista, ia perder ou empatar um jogo, "para fazer um favor"!

 

Os palermas que colocaram essa hipótese nunca devem ter ouvido falar em brio e dignidade profissional. Deve ser qualquer coisa que não existe nos seus clubes, e claro está, é perfeitamente normal para eles, até obrigatório, que os treinadores dos clubes adversários, ex-profissionais do seu clube, façam o tal "favorzinho", quando defrontam o "grande clube".

 

Por favor. Então se o homem é do FC Porto, já deviam saber que, a última coisa que ele faria, era um favor. A quem quer que fosse. Não é essa a fama do FC Porto?

 

O que é chato é que foi preciso uma derrota para calar esses idiotas. E nem assim se calaram. Agora é ver as parangonas: "Traição de Domingos". Estúpidos, o jogo até foi ao Sábado!

 

Está-se mesmo a ver que com o Jorge Costa e o Olhanense, vai ser a mesma história.

 

E depois temos o Glorioso, e mais o seu divino treinador.

 

Ainda mal tinha acabado o jogo, e já o Mestre proclamava: "Tenho a certeza que foi grande penalidade"!

 

Compreende-se. Foi uma questão de fé.

 

Na realidade, não era castigo máximo. Quando muito seria jogo perigoso, livre indirecto, e cartão amarelo.

 

Mas o que é que isso interessa? Niente. Para o bom do Jesus, inabalável na sua fé, mesmo depois de ver o lance na televisão, continua a ser penálti, e mais, "É com este espírito que se fazem campeões", diz ele.

 

Não lhe chamaria "espírito", mas lá que é espirituoso, ai isso é. E depois, vêm alguns criticar o Jesualdo...

 

O bom do Jesus prepara-se para suceder ao Giovanni Trappatoni, e ver cair-lhe no colo um título da Liga. Só que ao contrário do Trap, que não soube muito bem de onde é que aquilo veio, este sabe perfeitamente, de onde é que vem e como é que vai ser campeão.

 

O Trappatoni, que já tem títulos ganhos a dar com uma pá velha, se calhar, ao contrário do Rui Costa, até tem alguma selectividade em relação ao orgulho que tem dos títulos que conquista.

 

O que é certo é que, depois de ganhar a Liga pelo Benfica, com a desculpa das saudades da família, pisgou-se de volta para casa. Deve é ter tomado o caminho mais longo, porque, ao que consta ainda não chegou lá.

 

Lembro-me perfeitamente do amigo Jesus, dos tempos de jogador do SC Farense, a caminho do Estádio de São Luís, de blusa de linho, calça largachona, sandálias e bolsa a tiracolo, com o aspecto de quem andava a fumar coisas esquisitas.

 

Como jogador, batia a cem por cento certo com o que o Manuel Fernandes disse dele no "Record" de domingo: sem chama, mole, pouca nervo, como que a pisar ovos em pleno campo, isto, quando jogava.

 

Agora redefiniu-se como treinador. É aguerrido, tem fibra, tem opiniões firmes, ainda que erradas, e é a voz do dono. É pena.

 

Mas se é esse o preço que se tem de pagar para ser campeão, que seja.

 

E daí o "medianamente" lixado. Como cada vez mais estou convicto que esta podia ser baptizada a Liga-pescada (antes de o ser, já era), e que vai ser para o Benfica, pelo menos não vou ficar completamente lixado com as derrotas que o FC Porto possa sofrer.

 

Com as vitórias imerecidas dos outros, é que vamos a ver...

 

 

 

 

 

música: If you don't know me by now - Simply Red
publicado por Alex F às 16:31
link do post | comentar | favorito
|

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds