Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2009

Uma questão de fezada

Um parêntesis para uma aposta em relação ao nome do árbitro que irá dirigir o Benfica – FC Porto: Duarte Gomes.

 
Porquê? Porque é o árbitro de confiança do “sistema”, e aqui, por “sistema”, entenda-se, Vítor Pereira.
 
Dos árbitros que mais jogos dirigem dos três grandes: Jorge Sousa, Olegário Benquerença e Pedro Proença, o Jorge Sousa, depois de Braga, nem por sombras. Teve essa magnífica oportunidade, depois da brilhante exibição em Leiria, e esbanjou-a.
 
O Olegário, ainda está atravessado na garganta dos benfiquistas, por causa daquele golo não validado no jogo de há uns anos, em que, consta que o Vítor Baía terá tirado uma bola de dentro da baliza.
 
O Pedro Proença, arbitrou recentemente o Sporting – Benfica, e não faz muito sentido, que, num tão curto lapso de tempo, volte a apitar um jogo entre os grandes. Para além disso, não foi particularmente feliz, de tal maneira que o Dias Ferreira chegou a aventar a hipótese da sua exclusão de sócio do Benfica (que chatice que era. Lá ficavam só 299.999!).
 
O Pedro Henriques, depois do jogo com o Nacional da Madeira, foi banido dos jogos do Benfica, e para que não restem dúvidas, arbitrou o FC Porto – Vitória de Setúbal, do último fim-de-semana.
 
Dos árbitros, claramente anti-FC Porto, o Elmano Santos fez borrada da grossa no jogo do Sporting com o Vitória de Setúbal, mas mesmo sem isso, não me parece que estivesse nas cogitações de quem quer que fosse.
 
O Xistra, não era de todo descabido. Contudo, segundo consta (de acordo com o Rui Santos), será demasiado “verde”, e depois da dupla expulsão do Hulk, em Paços de Ferreira, havia de ser engraçado.
 
O Bruno Paixão, tem andado muito afastado destas andanças. Dos grandes, só arbitrou um jogo do Sporting (com o Paços de Ferreira, 4.ª jornada), e é o único que, no passado fim-de-semana, andou pela Liga Sagres. No entanto, não me parece. Era preciso ter lata, e o Vítor Pereira dá mostras de não ir muito à bola com ele.
 
Restam, sem se enquadrarem nas categorias anteriores, o Duarte Gomes, o Lucílio Baptista e o João Ferreira.
 
O Lucílio era uma excelente escolha, mas parece-me que a falta de vergonha não atinge essas proporções.
 
O João Ferreira, a contra-gosto, e por indicação do auxiliar, lá marcou o penálti contra o Nacional da Madeira, no jogo com o FC Porto, e, para além deste, só dirigiu o jogo do Benfica, em Paços de Ferreira. Não tem dado muito nas vistas esta época, por isso, também não deve ser desta.
 
O Duarte Gomes tem estado ausente de altas cavalarias, praticamente desde o Sporting – FC Porto. Ao que consta, ultimamente, por lesão.
 
Regressa este fim-de-semana para a Liga Vitalis. Está fresquinho, não se tem metido em alhadas, e é o homem de mão do Vítor Pereira, que assim tem o jogo controlado, para o que der e vier.
 
Parece-me a escolha ideal. Resta saber para quem...
música: Stuck with you - Huey Lewis and the News
publicado por Alex F às 10:30
link do post | comentar | favorito
|

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds