Segunda-feira, 19 de Julho de 2010

Ó tempo volta p'ra trás (ou "Momentos de rádio televisão")

Ainda não consegui ver um minuto de FC Porto, desde a Final da Taça de Portugal.

 

E como não sou o único que não tem paciência para andar por aí, à procura de jogos no “stream”, as queixas começam a dar sinais de vida. No geral, concordo com a opinião de que o FC Porto deveria ter um qualquer meio interno de comunicação, seja uma TV online, seja lá o que for.

 

No entanto, também me parece que dada a desproporção de sócios, simpatizantes, interessados e interesseiros (“stakeholders”) existente entre nós e o Benfica, dificilmente um tal projecto conseguiria ter a repercussão necessária para gerar uma “onda”, como aquela que levou as papoilas saltitantes até ao título da época passada.

 

A propósito deste assunto, vi ontem uma coisa que me fez regredir no tempo uns bons vinte anos.

 

Durante muitos anos tive lugar cativo no Estádio de São Luís, em Faro. Os sócios do Farense com lugar cativo eram todos os anos, quase sempre os mesmos, e as pessoas que se sentavam nos dez/doze lugares mais próximos, pouco ou nada mudavam. De vez em quando lá saia um ou outro, porque se chateava com o treinador, por que sofria do coração, porque se zangava com o vizinho do lado, mas, basicamente, havia um grupinho que já fazia parte da mobília.

 

Nestas pessoas incluíam-se dois veteranos, um deles, ex-contínuo (auxiliar de acção educativa, nos dias de hoje) no liceu onde andei, que pareciam os dois velhotes dos Marretas.

 

 

Aqueles maduros eram capazes de estar a ver o jogo e, em simultâneo, ouvir o relato num daqueles transístores a pilhas, só com um auricular, que antecederam os “walkmens” e os ipods. Em estações diferentes, está claro. Para que cada um pudesse depois discutir o lance à sua maneira.

 

Por vezes, com a substituição a dar-se mesmo ali à frente (a visão vai à vida com a idade, não é?!), eram capazes de discutir quem era o fulano que ia entrar, só porque na rádio, numa estação diziam que era um que entrava, e noutra afiançavam outro nome.

 

Dava vontade dizer: “abram os olhos! Está ali à frente, caramba!”. Convém lembrar, que as camisolas tinham números, e a partir de certa altura, até nomes…

 

Bons tempos.

 

Ontem, recordei esses tempos. Aqui há dias, num raro momento de exercício digital, estava a fazer “zapping”, e pareceu-me ver no canal 32 do MEO, qualquer coisa como “Benfica x Gronigen – relato”.

 

Como o meu masoquismo não atinge um grau assim tão elevado, e como tenho em casa dois miúdos pequenos, et por cause, tenho que ter algum cuidado com os conteúdos pornográficos de certos canais, nem liguei.

 

Mas ontem, vi “Guimarães x Benfica – relato”, e não resisti. Lá fui ver o que é que estava a dar na Benfica TV.

 

Então e não é que lá estavam dois marmelos, um a falar e o outro a meter-se de vez em quando na conversa.

 

“Notícias”, pensei eu ingenuamente.

 

Qual quê! Era mesmo o “relato” do jogo, como dizia na referência ao programa.

 

Dois monos, sentados em frente à câmara, um a debitar o relato, e o outro, a comentá-lo!!!

 

Mas isto é possível!? Mas…há quem perca tempo a ver isto?

 

Está tudo parvo ou quê? (esta pergunta é retórica. Estamos a falar da Benfica TV…)

 

Já terão ouvido falar em rádios? Se estavam a ver isto no MEO, é porque têm televisão por cabo (ou por satélite). Não sei se será exclusivo da minha televisão, mas penso que não, porque até nem é grande espingarda, mas, se me der na real gana, até posso ouvir rádio pela televisão.

 

Para quê estar a ver um canal de televisão onde dois maduros, de auscultadores nas orelhas, não fazem mais nada para além do relato e dos comentários ao jogo?

 

Pergunto-me o é que farão os telespectadores desta xaropada se, por acaso, como tantos fazem, se chateiam de ouvir as baboseiras daqueles dois?

 

(nota mental para mim mesmo: estou a falar da Benfica TV. A possibilidade de isso acontecer é…pouco mais verosímil que a de não estar tudo parvo!)

 

Desligam o som da televisão e ficam a ver a imagem, e ouvem o relato no rádio?

 

Quem assiste(iu) àquele programa deveria ser elegido como um exemplo a seguir de amor ao clube. Se isto não é amor ao clube, não sei o que é. Amor, e daquele bem ceguinho!

 

Por favor, façam o que fizerem no FC Porto, relatos na televisão…NÃO!!!!


Nota: abro uma excepção se, em vez de aparecerem os dois mânfios no ecrã, aparecerem umas imagens bonitas, umas paisagens, uns cavalos a correr, uns peixinhos, enfim…qualquer coisa que valha a pena! Percebem?!

 

sinto-me:
música: Crazy little thing called love - Queen
publicado por Alex F às 16:53
link do post | comentar | favorito
|

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds