Segunda-feira, 10 de Janeiro de 2011

Dublin, com escala em Sevilha

O nosso próximo adversário, naquela que se espera que venha a ser uma caminhada triunfante até Dublin, o Sevilha FC, conseguiu na última jornada da Liga espanhola, uma difícil vitória em Atocha, campo da Real Sociedad.

 

Bem, difícil, difícil, até talvez não tenha sido tanto, porque a Real vinha de três derrotas consecutivas e somou a quarta, mas, no entanto, até só estava a um ponto do Sevilha na classificação.

 

   

Relativamente ao jogo do Sevilha contra o Real Moudrid, é de registar a entrada no onze inicial de, quanto a mim, dois dos melhores jogadores desta equipa: Jesus Navas, na extrema-direita, e Kanouté, no eixo do ataque, e não só, com este último a merecer inclusivamente um destaque dado pelo próprio treinador.

 

Além disso, saíram também da equipa Dado, expulso contra o Real, Konko, Zokora e Capel.

 

A defesa, com a saída de Dado, reorganizou-se com a entrada de Alexis, para o centro, derivando Cáceres para a direita. No meio-campo, que já em Madrid havia sido totalmente remodelado durante o jogo, só ficou o Romaric, e para além do mencionado Navas, reentrou na equipa o habitual titular Perotti.

 

O brasileiro Renato entrou para o lugar do Zokora, funcionando numa espécie de pivot entre o meio-campo e o ataque, enquanto que aquele, quando joga, é mais um “box-to-box”.

 

Ou seja, para este jogo, a equipa parece ter abandonado o 4-4-2 de matriz mais britânica, com dois médios centrais mais pronunciados e extremos abertos, para lançar um 4-3-1-2.

 

Contudo, as suas raízes de futebol mais directo permanecem, e vieram ao de cima com a entrada de Negredo para o lugar de Renato, aos 61 minutos de jogo, levando a equipa a avançar para um 4-3-3 (Kanouté, Fabiano e o recém entrado Negredo), em que a mobilidade de Kanouté deu nas vistas.

 

É neste período que o Sevilha dá a volta ao resultado, passando de 1-2, para o 3-2 definitivo a seu favor. Aos 70 minutos, Manzano volta a reequilibrar a equipa retirando Luís Fabiano, e colocando em campo Cigarini.

 

   

Resumindo, não altero a a opinião inicial que dei sobre o Sevilha FC, se bem que, com o regresso do Jesus Navas e com o Kanouté, aparentemente em boa forma, suba uns pontinhos na minha consideração. Por outro lado, parece-me que o treinador está a tentar combater uma certa rigidez táctica que vinha de trás.

 

 Para mais pormenores, é ver a crónica na "Marca".

 

 

  

 

 

sinto-me:
música: Come as you are - Nirvana
publicado por Alex F às 18:26
link do post | comentar | favorito
|

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds