Terça-feira, 1 de Março de 2011

Verdade, verdadinha. É bonito!

“28/02/2011
A verdade. Só.


Pela terceira vez o Benfica dedica-me um solene comunicado no seu site oficial, com o original título “A verdade é como o azeite”, para me atacar violentamente e colocar em causa a minha honorabilidade. E que crime é que eu cometi desde tempos imemoriais? Apenas um, não ser benfiquista (na mente desta gente que não aceita a diferença).


Alega o Benfica que durante o período em que assumi a editoria de desporto da Agência Lusa mantive uma prática “difamatória, parcial e tendenciosa em relação ao tratamento que dava a toda a matéria noticiosa do SL Benfica” e acrescenta que fez várias queixas à Entidade Reguladora da Comunicação e ao presidente da Lusa.

E importa esclarecer que nunca a ERC me condenou, censurou, recomendou o que quer que fosse, já o contrário… Tão pouco o presidente da Agência Lusa alguma vez se imiscuiu no trabalho da editoria de desporto.


Mas houve uma coisa que o Benfica nunca conseguiu negar, foi a autenticidade das notícias por mim assinadas. Eram todas verdadeiras, em especial as que mais doeram à “inteligentzia” do Benfica, como aquela em que noticiei que apesar do quarto lugar na época 2008/09 a SAD tinha pago prémios de desempenho à Administração. E que desempenho, digo eu.

 
Ou aquela outra notícia, suportada em imagens vídeo, em que se via (e vê, que elas existem para quem não quiser ter palas) um funcionário do Benfica a desviar o alcance de uma câmara do sistema interno de vídeovigilância horas antes da recepção ao FC Porto de forma a não registar as agressões à comitiva do FC Porto (nas imagens apenas se percebe o team-manager do FC Porto a ser agredido com um pontapé nas costas).


Isto foi na época anterior ao célebre túnel da Luz e ilustra uma forma de agir de um clube que gosta muito de parecer educado mas que não resiste à tentação de armar ciladas aos seus adversários. A máscara haveria de cair, como se viu este domingo, no final do jogo com o Marítimo, ou há poucas semanas, no final do jogo com o Nacional.


O que o Benfica não aceita realmente é que haja quem pense diferente, quem não aceite ser subserviente a este ou aquele poder e, acima de tudo, que haja quem lhe fuja ao controlo.


Durante mais de 20 anos desempenhei várias funções como jornalista, aprendi com os melhores e procurei sempre continuar a evoluir e a partilhar o meu conhecimento. Ao longo desse tempo conheci jornalistas de muitas cores, de muitos credos e de muitas ideologias e com todos mantive sempre as melhores relações, porque, sendo adepto do FC Porto, não acho que só os adeptos do FC Porto sejam sérios.


(…)


Para finalizar, ao longo da minha carreira de jornalista escrevi textos simpáticos e antipáticos para com o FC Porto, para com o Benfica, para com o Sporting e para com todos os clubes. É a vida. É um facto indesmentível que escrevi que o FC Porto se sagrou pentacampeão, que o FC Porto venceu a Taça UEFA, que o FC Porto venceu a Liga dos Campeões, a Taça Intercontinental, o tetracampeonato e nunca o fiz em relação ao Benfica, mas a culpa não é minha. Juro.



Francisco J. Marques


Director de Informação do FC Porto

 

 

 

(o artigo completo aqui)

 

 

"You can't handle the truth!"

sinto-me:
música: Nothing else matters - Metallica
publicado por Alex F às 13:02
link do post | comentar | favorito
|

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds