Sexta-feira, 4 de Março de 2011

Movimento Conspirativo Perpétuo

Vindos de alguns elementos do Movimento Conspirativo Perpétuo, membro fundador da Associação dos Paranóicos Inveterados (ou será antes “Invertebrados”?), com sede na capital deste paraíso à beira-mar plantado, em frente a uma conhecida grande superfície comercial, li e ouvi uns comentários interessantes sobre as “contratações” de Lima e Sílvio, do SC de Braga, pelo FC Porto, e o “timing” em que as mesmas foram anunciadas.

 

 

Dizem então, que o anúncio da contratação daqueles dois jogadores, feito na semana que antecede a deslocação do clube desportivo e cada vez mais, recreativo, de que são adeptos, ao recinto bracarense, não é mais do que uma forma de incentivar os dois jogadores a mostrarem serviço, para agradar ao futuro empregador.

 

Nem vale a pena tentar fazer ver que, se já foram contratados, é porque já mostraram o que havia para mostrar. Não, porque se jogarem bem vão fazê-lo, não em prol do SC de Braga, que, até ver, é a entidade patronal que (ainda) lhes paga, mas para prestar um servicinho ao patrão que há-de vir.

 

Nas suas mentes não entra a possibilidade de que, se algum clube houver a quem esta situação cause algum desnorte, é precisamente aquele contra o qual vão jogar, o Sporting de Braga. Ou que, estando os dois jogadores de saída da cidade dos arcebispos, estes se estejam pura e simplesmente marimbando para o que o seu actual clube possa vir a fazer, neste jogo e até final da Liga.

 

A alienação é de tal ordem, que nem o facto de não ser do domínio público qualquer comunicação feita à CMVM sobre estas contratações, como o FC Porto está obrigado a fazer, arriscando por isso uma valente multa, como é apanágio do seu clube, os pára. 

  

E tudo isto, vindo de adeptos fervorosos de um clube que não se exime de contratar jogadores de um clube adversário, no próprio dia em que o vai defrontar, e cujo principal patrocinador não se abstém de administrar "injecções" de capital (ai, se a Ordem dos Enfermeiros sabe…) a um oponente, em vésperas do confronto entre ambos.

 

Depois admiram-se de o Presidente do FC Porto vir falar em incentivos ao abate.


Nota: Por infelicidade (ou não), a vida fez-me granjear um profundo respeito por aqueles que padecem de distúrbios psicológicos de índole paranóica. Com este texto não pretendo de forma alguma desrespeitá-los, até porque, no seu caso, as perturbações que os acometem têm grandemente uma génese fisiológica.

 

Nos membros do movimento e da associação acima mencionados, que diga-se, para que não surjam quaisquer dúvidas, são absolutamente fictícios (o movimento e a associação, não os membros, leia-se), basta-lhe, como a certos mamíferos irracionais, um relance da cor vermelha, que entram em alucinação.

sinto-me:
música: Basket case - Green Day
publicado por Alex F às 00:05
link do post | comentar | favorito
|

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds