Quarta-feira, 30 de Março de 2011

Foi você que pediu um João, “pode ser o João” [Ferreira]? (actualizado em 2011.03.31)

 

 

E eis que a mais previsível das previsões se torna falível, bastando que para tal se meta ao barulho o Presidente da Comissão de Arbitragem, Vítor Pereira. Devia ser uma nova Lei de Murphy.

 

Dos vários brindes possíveis, vai na volta e acaba por sair a fava, resta saber a quem.

 

Duarte Gomes foi o nomeado para o nosso próximo jogo na Cesta do Pão. Há que dizê-lo, é uma nomeação consensual, pois pelo que me parece, não acolherá simpatias nem de gregos, nem de troianos (apesar da contradição histórica, espero que nos toque o papel de troianos. Não tenho nada contra o Brad Pitt, mas prefiro que sejam os outros a verem-se gregos…).

 

Aliás, entre os grandes, ou assim-assim, o Duarte Gomes faz o pleno, porque também do lado sportinguista não o vêem com bons olhos.

 

Assim, temos o Vítor Pereira igual a si mesmo, tal como fazia quando era dele o apito: exímio na arte da condução do jogo. Um jogo pastoso, a meio-campo, sem grandes rasgos, mesmo o que se quer quando ainda não se sabe para que lado poderá pender a futura estrutura directiva do futebol nacional, na qual se diz por aí, ter lugar assegurado.

 

Duarte Gomes é um pouco à sua imagem. Viu-se em Coimbra, e não se viu em Braga, porque o FC Porto se superiorizou categoricamente aos minhotos. Ainda assim teve lampejos.

 

Do outro lado, também haverá reclamações. Por algum motivo a dada altura não o quiseram. Contudo, no que toca ao FC Porto, não tenho memória de alguma vez ter vindo assumir erros publicamente.

 

Esperemos é que não seja o “patrão” Vítor Pereira a vir, lá para a 30.ª jornada, justificar erros de arbitragem cometidos neste jogo.

 

Belluschi, cuidado com as “peitaças”!

 

Artur Soares Dias e João Capela vão estar nos encontros onde se disputa o terceiro lugar.

 

O primeiro vai estar em Aveiro, onde jogará o SC Braga, e o segundo, em Guimarães, aonde se deslocará o Sporting em ressaca eleitoral.

 

Artur Soares Dias faz o seu décimo jogo envolvendo os quatro clubes do topo da tabela, e é líder absoluto nesse capítulo. João Capela vai no sétimo, juntando-se à dupla perseguidora daquele, constituída por Carlos Xistra e pelo João, “pode ser o “ João [Ferreira].

 

É a nova ordem que se instala. Dos mais conceituados internacionalmente, Pedro Proença vai dirigir o Rio Ave x Vitória de Setúbal e o Olegário Benquerença, o Académica x Portimonense. Já o Jorge Sousa irá marcar presença no União de Leiria x Marítimo, enquanto que os mencionados Xistra e “pode ser o” João [Ferreira] foram parar à Liga Orangina.

 


 

(texto original)

 

 

Na última vez que comentei as nomeações de árbitros, alvitrei que o nosso próximo jogo iria ser dirigido pelo Pedro Proença.

 

Depois de ler a última crónica do Miguel Sousa Tavares (MST), conclui que talvez me tenha precipitado.

 

O que disse então MST?

 

 

 

 

 

 

É este, como diz, o “caderno de encargos” do nosso oponente. Curiosamente, ou não, também foi do outro lado que nos vieram delinear um “caderno de encargos”, em jeito de desafio de alguém com mau perder, mas que até sabe fazer contas:

 

 

Ou seja, e resumindo, do nosso lado há muito a ganhar e pouco a perder. Temos o título para ganhar, e logo na casa do mais directo adversário e rival nessa partida.

 

A perder, nada de especial. Se, por absurdo isso acontecesse, então restariam ainda mais cinco jogos para oficializar a (re)conquista antecipada nas estrelas, e bastariam duas vitórias, em Portimão e no Dragão, contra o Sporting, para o fazer.

 

E que bonito que seria celebrar o título contra o Sporting. Quem haveria de dizer a Godinho Lopes que, tão pouco tempo depois de ser, até ver, eleito, poderia vir a estar envolvido nos festejos de um título?

 

Não há muitos presidentes do Sporting que, ultimamente, se possam gabar desse feito, e ele próprio, dificilmente o voltará a fazer.

 

Para os da casa, pelo contrário, há muito a perder e muito a ganhar. A perder, desde logo, o jogo e o título. Depois, o trauma de isso acontecer território caseiro. E ainda o deixar por responder a questão de honra suscitada no artigo acima.

 

A ganhar, todo o inverso.

 

Neste contexto, parece-me agora claramente que o Pedro Proença, ainda que possa ser o mais indicado – foi o melhor árbitro na época transacta e estamos perante um desafio que opõe os dois primeiros classificados da Liga Zon Sagres – não será o nomeado.

 

O lisboeta é insuficientemente influenciável para dirigir este encontro, e o ambiente da Cesta do Pão, ainda para mais sendo sócio do nosso adversário e tudo, não o perturbará por aí além.

 

Assim sendo, o mais provável é que fizesse o que costuma fazer, e que errasse, como todos erram, mas não como resposta a um “caderno de encargos” previamente estabelecido, mas, como lhe acontece com frequência, por excesso de confiança.

 

Depois, entre outros pormenores, há sempre aquela estafada questão do penálti sobre o Lisandro (sim, o tal que originou o castigo que teve naquela jogada a sua única aplicação), que fazem de si um alvo apetecido para quem está nas bancadas vermelhas.

 

Seria, portanto, pouco aconselhável.

 

Dos que restam, partindo do princípio que o encontro será sempre dirigido por um internacional e que os critérios para as nomeações não serão alterados por uma catadupa de escusas, o único afastado à partida é Artur Soares Dias, que na última jornada esteve em Paços de Ferreira, a acompanhar o nosso opositor.

 

Carlos Xistra é alvo a abater após o jogo de Braga. Para mais, arrasado, e de que maneira, pelo famoso relatório do observador, é, de certeza, carta fora do baralho, mesmo que todos os outros se recusem a ir à Cesta do Pão.

 

O mesmo em relação a Olegário Benquerença, que só o salvará de um final de carreira parecido ao do Pedro Henriques, a sua reputação inexplicável reputação junto das instâncias internacionais.

 

Ao Jorge Sousa, nem todos os golos off-side validados e todas as expulsões de Alvalade, fazem dele um candidato a este jogo. É, e será sempre, o ex-Super Dragão, ainda que se esforce por provar o contrário.

 

João Capela e Bruno Paixão poderiam corporizar a(s) nomeação(ões)-surpresa. Porém, será em ambos os casos, pouco provável.

 

O primeiro ascendeu recentemente a internacional, e pese embora seja um dos que mais jogos entre os primeiros tem arbitrado esta época, quando comparado com Artur Soares Dias, o que se verifica é que este, só nesta temporada foi obsequiado com a direcção de um dérbi da Segunda Circular, mas em Alvalade.

 

Bruno Paixão, ao contrário de Xistra, poderia ser alternativa viável, caso todos os outros se recusassem. Tem trabalhado para isso – recorde-se Vila do Conde, na antevéspera da partida para a Taça de Portugal – mas, certamente com pena de alguns, duvido muito que isso aconteça.

 

Restam pois dois candidatos, o sportinguista Duarte Gomes e o João, “pode ser o” João [Ferreira].

 

Duarte Gomes teve duas boas oportunidades de mostrar serviço, no lamaçal onde o FC Porto defrontou a Académica, e mais recentemente,em Braga. Ambosos encontros se saldaram por vitórias portistas, com maior dificuldade sobre as águas revoltas de Coimbra, do que na Pedreira. Duas vitórias em dois jogos, de certeza que não constituem um bom agoiro, para quem acredita nas estrelas

 

Esteve ainda na Cesta do Pão, quando lá se deslocou o SC Braga, num jogo que o Domingos se recusou a jogar, sendo que, com Xistra e João, “pode ser o” João, constitui o trio de internacionais que marcaram presença em tal palco nesta época.

 

É, ao que se lê nas transcrições de algumas escutas, da confiança de Vítor Pereira, contudo, não era (será?) um dos favoritos do homem de orelhas grandes, que não escolhe árbitros.

 

Contudo, apesar dos pesares, parece-me que o João, “pode ser o” João [Ferreira] dá à partida mais garantias.

 

Dificilmente favorecerá o FC Porto, só por manifesta distracção, ou se algum sacana de algum árbitro assistente, o tramar. Se beneficiar os da casa, ninguém estranhará. Além disso, tem andado muito recolhido em relação à equipa em causa, só dando nas vistas no jogo com o Rio Ave, para a Taça de Portugal Millenium.

 

Esse é precisamente o maior contra que apresenta. Se for nomeado agora, que em jogo pouco mais estará além da honra ou da vergonha, quem irá estar na segunda mão da meia-final da dita Taça, em 20 de Abril próximo?

 

 

 


Nota1: a crónica do Miguel Sousa Tavares foi “pescada” do Tomo I.

 

Nota2: De acordo com o site da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, as nomeações dos árbitros para esta jornada, irão acontecer pelas 19 horas, pelo que este artigo irá ser sujeito a actualização em conformidade, logo que possível.

sinto-me:
música: I'm just a gigolo - David Lee Roth
publicado por Alex F às 13:03
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De penta1975 a 31 de Março de 2011 às 00:59
caro Axel,

estás à vontade para "pescar" lá no meu estaminé sempre que quiseres e o que muito bem entenderes.
afinal, como (bem) diz o Dragão Vila Pouca, a apartir do momento em que publicámos algo, nesse mesmo instante deixa de ser nosso e passa a ser global.

entretanto, rezam as crónicas que nos saiu o Gomes, Duarte Gomes...
a quem é que vai sair uma peitaça, desta feita? ;)

abraço

saudações desportivas mas sempre pentacampeãs!

Miguel (penta1975) | Tomo I (http://miguel-lima.com/)

Comentar post

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds