Sexta-feira, 1 de Abril de 2011

Ah, moços marafados!

Está quase a chegar ao fim mais um Dia das Mentiras, e a verdade é que o Sporting Clube Farense cumpre mais um aniversário, o seu 101.º.

 

Já o disse aqui, e certamente não me levarão a mal por isso, que, desportivamente falando, e em particular, no que ao futebol diz respeito, tenho dois amores.

 

O primeiro, o FC Porto. O segundo, o clube da minha terra, onde fiz a minha breve carreira de basquetebolista federado, que a falta de jeito, mais do que tudo, e uma pouco promissora falta de altura, fizeram de mim, com interregnos espaçados, o actual desportista de sofá e teclado que sou hoje. O basquetebol não é para Rui Barros. Bem, na realidade, na NBA houve o Tyrone Bogues. Foi a excepção que confirma a regra.

 

Para além de dar os Parabéns ao Farense, queria aproveitar esta oportunidade para vos apresentar o meu primeiro ídolo no futebol nacional: Carlos Manuel, nome de guerra "Cheira".

 

O Cheira foi um extremo do SC Farense, e vi-o jogar em finais da década de setenta, príncipios da de oitent. Era completamente louco. Capaz de dar as mais despropositadas pantufadas nos adversários, e não sei como é que não era expulso logo à primeira vez que dividia um lance com um oponente.

 

Tenho na memória um duelo em particular, com um defesa-esquerdo do Nacional da Madeira, de nome Inguila. Fez faísca até mais não, e o Inguila ganhou.

 

Na altura, não percebia porque é que o Cheira não jogava mais, e criticava por isso o treinador, salvo erro, também jogador, o Leitão. O meu tio, que me iniciou nestas coisas do futebol, e que, ou muito me engano ou, dada a sua simpatia clubística, na primeira vez que me levou ao velhinho São Luís, me espetou nas mãos uma bandeira, que eu desconfio que era vermelha e branca, - ainda que até hoje mantenha a esperança de que fosse preta e branca - também não gostava muito dele.

 

Agora percebo porque. O homem jogava de cabeça sempre em baixo. Não via ninguém. Tentava fintas completamente adoidadas, e depois, quando perdia a bola, afinfava nos adversários, como se não houvesse amanhã. Acho que, raramente terá feito qualquer coisa de útil. Coisas que um miúdo não compreendia na altura...

 

Aproveitando que estou com a mão na massa, ou no teclado, já agora recordo um dos momentos épicos que vivi no Estádio de São Luis, e precisamente no dia 1 de Abril, neste caso de 1995.

 

Nesse dia o Farense cilindrou um adversário por 4-1, e foi dos dias mais felizes que vivi naquele estádio.

 

 

Jogavam em Faro grandes jogadores como o "Príncipe" Rufai, o Miguel Serôdio, o Hajry, o Sérgio Duarte, o Hassan e o Djukic. E o King, é claro!

 

Belos tempos!

 

É claro que essa vitória acabaria, uns anos mais tarde, por ser paga, e com juros. O Farense não foi capaz de pagar as suas dívidas às Finanças (e não só!), e foi parar aos distritais. O outro clube, todos sabemos a história...

 

Enfim, muitos Parabéns Sporting Clube Farense!

sinto-me:
música: Real wild child - Iggy Pop
publicado por Alex F às 23:55
link do post | comentar | favorito
|

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds