Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2012

Rolando a ponta-de-lança, já!

Estou em vias de iniciar um movimento reivindicativo para fazer do Rolando o ponta-de-lança que nos falta, e por definitivamente uma pedra sobre este assunto.

 

Um ponta-de-l…, perdão, um defesa que mata a bola no peito daquela maneira, e lhe afinfa um remate daqueles, tão rápido quanto o diabo esfrega um olho, era de certeza titular na linha avançada de muitas equipas, e a nós até nos dava jeito.

 

 

 

A bem dizer, comparando com o Kléber, por exemplo. Não faz grande coisa lá à frente, mas também não atrapalha no outro lado do campo. Pondo o Rolando lá para diante tem-se essa vantagem, e ainda é capaz de marcar algum golito como o de ontem, coisa que ainda não se viu ao brasileiro.      

 

Quem por aqui passa com alguma regularidade já se deve ter apercebido da minha opinião sobre o Rolando. Em resumo, para mim a questão não é tanto se o Rolando é um bom ou mau jogador. Quanto a isso, acho que é mediano, a puxar para cima.

 

A questão é outra. Acho é que o Rolando, com a idade que tem e com os anos que leva de FC Porto, já estava mais do que na altura de se afirmar como patrão daquela defesa, e é isso que não vejo.

 

Falhas todos têm, e grandes jogadores como Jorge Andrade ou Ricardo Carvalho, não se impuseram verdadeiramente como líderes, mas sobressaiam pela sua qualidade.

 

No caso do Rolando, já o disse mais de uma vez, sinto-lhe falta-lhe chispa. Falta-lhe um clique para que o rapaz se imponha de uma vez, para que diga “Presente!”, entre com o físico e mande naquela área. E às vezes, se possível, na outra também!

 

Por outras palavras, aquilo que fez dele capitão em Belém, não chega para ser líder no Dragão. Basta ver a diferença entre onde estão os pastéis e o FC Porto. Mas talvez a solução passe por aí. Lembram-se do Mariano Gonzalez, com a braçadeira de capitão no braço, e o golaço que marcou ao Sporting?

 

E se para aumentar-lhe a autoestima, a autoconfiança, e outras autos, mas não daquelas que os outros andam por aí a espatifar, lhe espetássemos com a braçadeira de capitão? É só uma ideia, não levem a mal…

 

 

Pronto, o rapaz fez um bom jogo, sem dúvida, e culminou-o com um grande golo. Oxalá repita a dose muitas vezes!

 

De resto, o costume e uma novidade. Na parte do costume, o Álvaro Pereira e o Fernando.

 

Ao Palito, a dada altura, ao vê-lo à direita num lance de contra-ataque, dei por mim a pensar se lhe teriam mostrado um vídeo de algum jogo do capitão João Pinto, e das sua maravilhosas diagonais. Muito correu aquele homem, caramba!

 

Na segunda parte, já cansado de tanta correria, pus-me a magicar se não daria para por a jogar de vez em quando o Alex Sandro, a defesa, e adiantar o Palito para extremo. Pelo menos já só corria metade da distância. Bolas, que o homem ainda rebenta!

 

O Fernando não é tanto pelo que corre, mas ontem, até no chão recuperou bolas. Foi pena o cartão amarelo, que o deixa de fora do próximo jogo contra o Gil Vicente. Pior ainda: o desarme foi duma limpeza a toda a prova. Nem falta, quanto mais amarelo. E para bónus, o golo dos vimaranenses...

 

Em dois jogos, é o segundo mal mostrado, depois daquele ao Iturbe, contra o Estoril-Praia.

 

Menos mal que, lendo os dados estatísticos do jogo, lá dei conta que o Edgar também levou amarelo. Aguentou oitenta minutos, mas levou. Durante o jogo, não reparei, e fiquei a tentar perceber como era possível ele e o El Adoua terem chegado ao fim sem serem punidos disciplinarmente. O El Adoua então, que teve uma entrada para amarelo logo no primeiro minuto da partida…

 

A novidade foi o Silvestre Varela. Benvindo Sr. Silvestre. Por onde é que tem andado? Até se compreende o dilema do rapaz. No FC Porto, tem estado mais ou menos tapado, na seleção, com os critérios tranquilos que o selecionador aplica, é mais fácil ser convocado se não jogar, do que se o fizer.

 

Esquece-te disso, pá, e joga lá aquilo que sabes. Deixa lá o gajo do risco-ao-meio, que fazes falta é de azul e branco.

 

Só um pormenor que achei interessante. Do que já li e ouvi, parece-me que é mais ou menos ponto assente que, de entre os que menos jogaram, estarão o João Moutinho, o James Rodriguez e, sem grandes surpresas, o Kléber.

 

Pois bem, o João Moutinho marcou o segundo golo, a passe de quem? Do Kléber. O James Rodriguez fez o passe para o golo do Rolando, e sofreu a falta que originou o penálti, que também converteu.

 

A jogar mal…Nem sei que diga!

 

sinto-me:
música: Killer - Adamski feat. Seal
publicado por Alex F às 18:45
link do post | comentar | favorito
|

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds