Quarta-feira, 14 de Março de 2012

Idle hands are the devil’s tools

 

Começam a escassear adjetivos para qualificar o alargamento da Liga Zon Sagres a 18 clubes, aprovado na reunião do Conselho de Presidentes da Liga Portuguesa de Clubes Profissionais, realizada no Porto, no pretérito dia 12.

 

"Ilegal, irracional e oportunista", criticou o ex-Secretário de Estado do Desporto, pessoa que, em termos de legalidade e racionalidade, temos o caso Carlos Queiróz(s), que fala por si. Sobre oportunismo não me pronuncio.

 

Para o FC Porto, é "cereja no topo de um bolo de imbecilidade". Imaginativo, sem dúvida.

 

O presidente do Nacional da Madeira, e ex-candidato desistente à presidência da Liga, diz que foi "uma grande caldeirada", montada por alguns clubes.

 

Do lado sportinguista, Luís Duque acrescenta que "o campeonato deixa de ter credibilidade e é uma machadada no futebol português".

Por sua vez, para o presidente da Liga, "a repescagem não fere a verdade desportiva", apontando como exemplo, as ligas americanas, "quase todas fechadas", ou seja, sem subidas e descidas de divisão.

 

Pois é. Não sei se será tanto assim, pois nas ligas americanas, como por exemplo, a NBA, até pode ser vantajoso ser último classificado. O último garante a primeira posição no “draft” da época seguinte, e as posições nas várias rondas do “draft” são tão transacionáveis como jogadores, treinadores e afins.

 

Além disso, nas ligas americanas existem umas coisas chamadas "salary caps", que limitam a massa salarial a despender pelos clubes em ordenados, e ainda mais engraçado, os clubes até são forçados a cumprir regras mais ou menos estritas de sanidade financeira para se manterem em prova.

 

Por cá, são os jogadores do Vitória de Guimarães, que ameaçam fazer greve. Os da União de Leiria, aparentemente, terão mesmo chegado a vias de facto, e fizeram greve, e de acordo com o evangelical presidente do Sindicato dos Jogadores, mais de 80% dos clubes têm dívidas aos seus profissionais.

 

Não sei porquê, mas parece-me que talvez não seja assim tão boa ideia ir a correr copiar as excentricidades dos nossos amigos cábóis.

 

Abstraindo destes factos e pseudo-factos, apenas um lamiré sobre dois pontos saídos da tal reunião, que atrairam a minha atenção.

 

Um tem a ver com o que vim a escrever. É engraçado que, assumindo que não haverão(iam) descidas de divisão, há um clube, dos três que lutam pelo título, que vai defrontar no que resta de Liga, três das equipas posicionadas nas quatro últimas posições na tabela classificativa, dois deles nas duas últimas jornadas da prova. É claro, que isto não passa de uma mera coincidência, mas lá que cheira a verdade desportiva feita pelo outro lado, cheira.

 

Especialmente se tivermos em conta que esse clube é recorrente na resolução de situações como a de Leiria, como outrora solucionou a do Vitória de Setúbal ou a do Estrela da Amadora, através de “valores adiantados (…) no âmbito dos contratos celebrados que dão (…) um direito de preferência numa futura aquisição de direitos económicos e/ou desportivos de activos intangíveis”, vulgo, “passes de jogadores”, que inclusivamente consagra nos seus relatórios de contas.

 

O outro ponto, menos realçado, é o dos direitos televisivos. Os clubes ponderam apresentar uma queixa na Comissão Europeia contra a Olivedesportos, detentora do monopólio dos direitos das transmissões desportivas, em violação daquelas que são as regras europeias da concorrência.

 

É interessante que, sem se saber qual o provimento que poderá ser dado a uma eventual queixa deste cariz, se avance com a indicação da época de 2013/2014, como aquela que marcará o términus do monopólio da Olivedesportos.

 

Mais curioso se torna ainda quando se nota que, tanto o FC Porto como o Sporting, são detentores de contratos válidos com aquela empresa, até 2018. Sendo deferida aquela queixa, consequentemente seguir-se-á nova negociação, de que estes clubes poderão sair beneficiados ou prejudicados. Por outras palavras, será trocar o certo, pelo incerto.

 

Porém, como todos estamos sabedores, há um clube cujo contrato de direitos de sobre as transmissões televisivas expira no corrente ano.

Clube esse que anda envolvido em negociações, se por essa designação entendermos uma sucessão de bluffs e ultimatos, com a Olivedesportos.

 

Uma queixa desta natureza, encaixa-se muito oportunamente numas negociações que se arrastam quase desde 2008, que, salvo erro, marca o advento da ...ica Tv.

 

Instrumentalização da Liga de clubes? Nunca na vida.

 

Só porque o actual presidente da Liga até é genro do tal fulano que não quer ser guardanapo do FC Porto, mas que não se importa de servir de papel higiénico noutros sítios? Nem tal se me passa pela cabeça.

 

É tudo em prol dos interesses dos pequenos mais grandes clubes do Mundo, que por aí pululam.

 

sinto-me:
música: Devil inside - INXS
publicado por Alex F às 22:32
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De reine margot a 15 de Março de 2012 às 13:54
Muito bom, mesmo! Muito bem escrito!
De Alex F a 16 de Março de 2012 às 09:56
Obrigado. Às vezes acontece...

Comentar post

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds