Terça-feira, 3 de Julho de 2012

De emprestado a emprestadado e fiado

 

Comecemos pelo fim. Ou pelo princípio. Como as coisas estão, nem sei bem.

 

«Fiquei muito surpreendido e a medida coloca-me grandes reservas, até pela rapidez com que foi aprovada [durante uma assembleia geral extraordinária, de quinta-feira passada]. Acho que fazia mais sentido limitar o número de empréstimos. Passámos do oito para o 80», afirmou este sábado em entrevista ao jornal «Público», Mário Figueiredo, o presidente, aparentemente em funções, da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.
 
 
 

Antero Henrique, diretor-geral da SAD dos campeões nacionais, deixou críticas à decisão, por entender que a medida representa um "retrocesso" para o jogador português.

 

"É um atentado ao jogador português. É um grande retrocesso no que diz respeito à necessidade de desenvolver o jogador português que assim vê o seu espaço diminuído. As equipas B são uma excelente medida, mas é preciso um nível intermédio", afirmou o dirigente em entrevista ao jornal 'O Jogo'.

 

Antero Henrique deu vários exemplos de atletas nacionais, que foram recentemente emprestados a clubes da primeira divisão e estiveram em bom plano: Adrien, Atsu, Cédric, Kelvin ou Pizzi.

 

"Isto caminha num sentido muito escuro, porque o que se defende é a solidariedade no futebol português, sobretudo num contexto de dificuldades financeiras", explicou.

 

O diretor do FC Porto acrescentou que não acredita em "sucesso sem planeamento", defendendo que esta decisão deveria ter sido "discutida com tempo, porque há vários modelos para a questão e basta ver o que aconteceu na liga mais comercial do mundo, a inglesa, onde as regras foram amplamente debatidas".

 

Antero Henrique criticou também os clubes que eram muito beneficiados com os empréstimos e votaram a favor da proposta do Nacional: "Muitos clubes andam hipnotizados, não sabemos muito bem com o quê. No fim deste hipnotismo vamos perceber como é que isto está...".

 

Entretanto, consta que, tanto FC Porto, como o segundo classificado da época passada, terão votado contra, assim como outros sete clubes, contra 19 que votaram a favor da medida proposta pelo Nacional da Madeira, e contando-se ainda uma abstenção.
 

 

O presidente do Sindicato de Jogadores é a favor: «"há algum tempo o Sindicato de Jogadores já tinha sugerido uma redução dos empréstimos, de modo a assegurar uma competição mais leal".

 

Sem jogadores cedidos, frisa, "todos os clubes ficam em pé de igualdade", dando um exemplo: "um clube que tem 27 jogadores que lhe pertencem, tem um orçamento mais elevado do que outro que recorre a empréstimos".

 

Ainda assim, o dirigente sindical entende que "deveria haver um período de transição, com limitação do número de empréstimos e não proibição imediata". E revela que "alguns clubes que votaram esta decisão porventura nem saberiam o que estava a ser discutido"».

 

 

Na óptica de Luis Duque, administrador da SAD do Sporting, que apoiou a medida, esta «"Vai, sobretudo, dar mais transparência ao futebol português", disse o dirigente, recordando que a proibição de empréstimo de jogadores a clubes da mesma divisão "é um facto em campeonatos como o inglês".

 

Para Luís Duque, "o princípio está aprovado”, mas caso apareça “quem saiba contornar a regra, isso fica para o julgamento de quem segue o futebol".

O dirigente sportinguista argumentou com as equipas B para justificar o fim desses empréstimos: "Os jogadores que precisarem de evoluir podem fazê-lo ‘em casa', isto é, nos clubes que os contratam e em provas profissionais"».

 

Ou seja, em poucas palavras, a balbúrdia do costume, e a sensação de que a Liga de clubes, neste momento não tem rei, nem roque. É a ditadura do proletariado, na sua expressão clubística. Com um clube de viscondes de permeio, é certo, mas cada vez mais lumpen.

 

No meio disto tudo, quem sai a ganhar com tal medida?

 

Os clubes que emprestam jogadores? Basta ver a posição assumida pelo administrador da nossa SAD, para perceber que dificilmente assim será. Quanto aos outros que votaram contra, estas coisas para eles são poliédricas. Têm lados em barda, e eles utilizam-nos a todos.

 

Lucram alguma coisa os clubes que recebiam hospitaleiramente os jogadores emprestados? Se tivermos em conta o que diz o presidente do Sindicato dos Jogadores, também não. Aliás, a fiarmo-nos nas suas palavras, esses clubes têm é vivido até aqui num regime de favorecimento encapotado, face aos que não contam nas suas fileiras com jogadores emprestados.

 

É interessante esta preocupação do homem sindicalista, que nada tem a ver com os jogadores, que supostamente representa, propriamente ditos, mas com a igualização dos pés dos clubes.

 

Então se um clube com a corda na garganta, como quase todos eles vivem permanentemente, tiver jogadores emprestados, com os quais não suporta encargos, a sua capacidade de solver os compromissos com os demais aumenta ou diminui, senhor sindicalista?

 

E os emprestados, preferirão estar encostados ou jogar pelas equipas B, ou rodar numa outra equipa qualquer do escalão principal? O sindicalista representa os seus sindicalizados ou falou a título meramente pessoal?

 

Mais transparência e verdade no futebol português? Reforço das equipas B?

 

Quando quem fala em transparência – Luis Duque, é simultaneamente o primeiro a dar-lhe a machadada: "o princípio está aprovado”, mas caso apareça “quem saiba contornar a regra, isso fica para o julgamento de quem segue o futebol".

 

O Mística Azul e Branca, sem grandes mistérios, também rapidamente aventou uma forma expedita de contornar a situação:

 

 “(…) está mesmo a ver-se o que vão fazer os clubes que queiram continuar a emprestar os seus excedentários: contratos de venda fictícios com uma cláusula de opção de recompra pelo mesmo preço, ou outra artimanha parecida! Se o jogador lhes interessar, vão lá buscá-lo. Isto a menos, claro, que o senhor Figueiredo também queira alterar as leis do Código Comercial e que só seja possível efectuar negócios, debaixo da sua tutela”.

 

É verdade que a medida, à primeira vista, parece entroncar na criação das equipas B. Até nem seria de todo desprovida de sentido.

 

Havendo a possibilidade de emprestar jogadores a clubes da mesma liga, com o fito de, para além da componente desportiva, de per si, gerar uma esfera de influência, porque iriam os clubes colocar os jogadores nas equipas B?

 

E os jogadores? Penso fundamentalmente naqueles com algum estatuto, real ou imaginário. Podendo jogar na liga principal, porque diabos iriam dar um passo atrás nas carreiras, e alinhar pela B, numa divisão secundária?

 

Esta proibição pode funcionar como um argumento para o clube, tipo “meu amigo, tem três hipóteses: é a B, ou zarpa para a estranja, ou fica a coçar os ditos cujos no banco”.

 

Sem dúvida que, para quem patrocinou a reactivação das equipas B, esta medida parece essencial, no sentido da sua afirmação e do reforço da competitividade artificial do futebol português.

 

Todos sabemos que, independentemente da simpatia que os portugueses nutrem pelo clube da terrinha, quando esta não coincide com o local de origem de algum dos três grandes, serão poucos aqueles que não têm preferência por um destes últimos.  

 

São estes clubes que levam público aos estádios, sendo que um deles, de tal maneira se ufana disso mesmo, que até houve por bem incitar os seus adeptos a não acompanharem a equipa do seu coração fora de portas.

 

Assim sendo, havendo a possibilidade de ver o clube da terra a defrontar, e eventualmente, até bater-se de igual para igual, com um dos grandes, será essa hipótese desprezível? É a equipa B dos outros? Que seja, o que é que isso interessa? Será sempre o FC Porto, ou o outro ou aqueloutro.

 

O ideal mesmo era que, para além de equipas B, criassem equipas C, D, E, F, e as espalhassem por todas as divisões. Aí sim, é que o nosso futebol, num ápice, se iria tornar um primor de competitividade e até a capacidade dos estádios teria de ser revista, para albergar tamanhas multidões de adeptos.

 

Se querem saber a minha opinião, o último chefe que tive, com quem realmente aprendi alguma coisa de jeito, dizia que “as leis são feitas para ajudar os amigos, lixar os inimigos e aplicar aos indiferentes”.

 

Vamos aguardar, como disse o Luis Duque, para ver quem vai ser o primeiro a mijar fora do penico, e a “contornar a regra”. Aí ficaremos a saber quem são os “amigos” e os “inimigos”, e consequentemente, o verdadeiro porquê desta proibição.
sinto-me:
música: Something to believe in - The Offspring
publicado por Alex F às 13:21
link do post | comentar | favorito
|

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds