Domingo, 13 de Dezembro de 2015

A merda, segundo o padrão-Couceiro

20041212-fcporto_oncecaldas_bica-1 (1).jpg

Completaram-se ontem onze anos sobre a conquista da nossa segunda Taça Intercontinental.

 

Corria a época de 2004/2005, inesquecível, e não obstante, de má memória.

 

O FC Porto acabara de se sagrar campeão europeu pela segunda vez, e para além de José Mourinho, jogadores como Paulo Ferreira, Ricardo Carvalho, Aleinitchev e Deco deixaram o clube.

 

Outros, com Costinha e Maniche à cabeça, prefeririam tê-lo feito, e demonstraram-no abundantemente ao longo da época.

 

Del Neri, vindo do modesto Chievo Verona foi o escolhido para suceder a Mourinho. Os jogadores haveriam de chegar aos magotes pela temporada fora, com o senão de que, a par de Quaresmas, Luises Fabianos ou Diegos, também vieram Leandros e Leandros Bonfins, Areias, Leos Limas, Cláudios Pitbulls, e outros do género.

 

De Neri acabaria por ser despedido, ainda no decurso do período experimental, numa brilhante e, que se saiba, nunca antes vista, tecnicalidade jurídico-laboral.

 

Para seu lugar veio Victor Fernández, sendo que Rui Barros ainda teve tempo e engenho para conquistar a Supertaça.

 

Com Fernández o FC Porto venceu a sua segunda Taça Intercontinental, o grande feito dessa epoca, mas nem isso lhe valeu, pois foi substituído por Couceiro, que faria a sinuosa recta final do campeonato nacional.

 

Esta foi temporada do Estorilgate, que o "Reflexão Portista" recuperou há dias, através duma entrevista do, à época, treinador-adjunto do Estoril, Carlos Xavier, dos pénaltis pelas boladas do Simão Sabrosa nas mãos dos adversários, e do treinador, Trappatoni, que mal ela terminou, se pôs a milhas, com saudades de casa.

 

Num período do mais completo desnorte a nível interno, e que do ponto de vista externo, muito pouco ou nada, jogou a nosso favor, ainda assim o FC Porto acabou o campeonato em segundo lugar, a uns meros três pontos do campeão.

 

Pelo caminho houve momentos humilhantes, é certo. O pior terá sido a derrota caseira por 0-4, contra o Nacional da Madeira, mas também cllaudicámos em casa contra o SC Braga (1-3), e Boavista e Beira-Mar (0-1).

 

Curiosamente, também derrotámos o Chelsea, no regresso de Mourinho "a Palermo"...

 

Três treinadores, mais de três dezenas de jogadores, uma Taça Intercontinental, uma Supertaça Cândido de Oliveira, arbitragens estranhas, Cunha Leal na Liga de clubes, e acabámos a três pontos do campeão nacional.

 

Mal comparando com o passado recente, pergunto-me porque diabos é que, para tantos portistas, o Couceiro foi uma das maiores merdas que, desde sempre, passaram pelo nosso clube.

publicado por Alex F às 23:40
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Michael a 14 de Dezembro de 2015 às 01:10
O Mourinho foi a italia? Nessa época?
De Alex F a 14 de Dezembro de 2015 às 08:49
Não Michael, o Mourinho, que eu me lembre, não foi a Itália nessa época.

Mas antes de vir jogar ao Porto, no tal jogo em que perdeu, perguntaram-lhe se iria trazer guarda-costas, dada a sua saída um tanto ao quanto atribulada do clube, ao que ele respondeu:

"Se você fosse a Palermo, não levava?"

No fundo, eu estava apenas a tentar ser irónico...com o Mourinho!

Vou colocar entre aspas no texto, para tornar mais claro.

Obrigado

Comentar post

.Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31

.posts recentes

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

. A merda, segundo o padrão...

. Um treinador de gestão

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds