Domingo, 24 de Maio de 2015

Estatisticamente falando

transferir.jpg

 

 

Não tenho a ideia exacta de quando é que isto começou, mas se por algum motivo tivesse de situar no tempo o início desta febre estatística, apontaria para o período do Sporting de Peseiro.

 

É claro que sempre existiram números e dados estatísticos, recordo que, como em tantas outras áreas, também nessa o FC Porto foi o percursor, através do prof. José Neto, que integrou a equipa técnica de Pedroto.

 

Agora, o inferno estatístico em que hoje vivemos, salvo erro começou com o Sporting do Peseiro, e as suas incomensuráveis series de vitórias, que foram assim amplificadas, talvez na esperança de que não tivessem fim à vista. Uma espécie de #colinho doutra natureza.

 

Ironicamente, acabariam por perder em casa com o CSKA, a hipótese de chegar a um título europeu, e a mona lisa do Luisão haveria de os apear da corrida para o campeonato nacional.

 

A coisa agora refinou-se e expandiu-se, como se a grande beleza do futebol não residisse na sua aleatoriedade, e a única verdade estatística insofismável é a de que só contam as bolas que entram na baliza.

 

Não tarda, alguém vai chegar à conclusão de que o actual campeão, é o clube que mais títulos alcançou com um defesa central careca ou com um defesa-direito com uma verruga bá cara e o nome começado por "M".

 

Por exemplo, estatisticamente, o FC Porto terá tido a melhor defesa da Europa, e teve o melhor marcador do campeonato, que, ainda assim, não ganhou.

 

O que é que isso nos diz? A mim não me diz grande coisa.

 

Diz-me que, no futebol, o objectivo principal do jogo é marcar golos, e não impedir que o adversário os marque.

 

De vez em quando pode acontecer que uma selecção como a italiana, empate todos os jogos da fase de grupos e acabe campeã europeia. Mas isso é numa prova com apenas três jogos em poule. Um campeonato é longo e é uma competição de regularidade, convém marcar mais golos que os adversários.

 

O que nos leva ao titulo de melhor marcador, que para além de atestar da capacidade individual de quem o alcança, para pouco mais serve, especialmente quando nos dois lugares imediatos se classificam os dois melhores marcadores do rival, com menos um e dois golos, respectivamente.

 

Mas já que é de estatísticas que se fala, há mais dois factos estatísticos que, apesar de tudo, catapultam Julen Lopetegui para a história do FC Porto de Pinto da Costa, e que não têm tido o devido realce.

 

Tal como aconteceu em 1988-1989, o FC Porto não conquistou qualquer titulo, mas enquanto Quinito não chegou ao fim da época, Lopetegui conseguiu fazê-lo.

 

E, caso Lopetegui continue a treinar o FC Porto na próxima temporada, será o primeiro treinador que o fará (na gestão de Pinto da Costa), depois de se ter aguentado uma época inteira sem ganhar o que quer que seja.

 

Estatisticamente falando ou não, é obra. Ou sinal dos tempos.

publicado por Alex F às 23:25
link do post | comentar | favorito
|

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds