Sábado, 29 de Agosto de 2015

Incaracteristicamente característico

Nos bons velhos tempos em que marcava presença assídua no velhinho Estádio de São Luis, era vulgar os extremos e laterais do Farense, fossem eles quais fossem, mas alguns em particular, protagonizarem aquilo a que o meu tio materno, certamente quem me infectou com o vírus desta coisa do futebol, mas não o da preferência clubística, costumava designar por: “a jogada característica”.

 

O que era “a jogada característica”? Simples. O jogador em causa galgava terreno pela linha lateral acima, como se a sua vida dependesse disso, até que, ao aproximar-se da linha de fundo, amandava um barranaço e…espetava com a bola na Igreja de São Luís!

 

player-Hector-Herrera-SOC449-on-500x500.jpg

 

O nosso Herrera, salvaguardadas as devidas proporções, traz-me à memória “a jogada característica”.

 

Pega na bola no nosso meio terreno, corre, corre, corre, com ela dominada, numa verticalidade impressionante, até a entregar, às vezes, até em condições, a um colega lá adiante. Ou não, mais frequentemente, para nossa infelicidade.

 

Como diz a Manuela Azevedo, não sei se será dele, ou se pensa que tem de ser assim. Alguém lhe terá dito que era assim que jogava um “box-to-box”?

 

Mas o problema não é só o Herrera, que até é um rapaz esforçado, é todo o nosso meio-campo.

 

Aquilo de que nos queixávamos (eu queixava-me, pelo menos!) por excesso no tempo do Vítor Pereira, peca agora por defeito.

 

Bem sei que nem todos podem encarnar em si o espírito de uma maçã podre, mas há ali um défice de troca de bola que não consigo entender. É falta de capacidade ou toda aquela sofreguidão é resultado do estado de ansiedade do inicio de temporada?

 

O mais estranho é que, das vezes que as filmagens focam o treinador, nunca o vi a fazer aquele gesto tão característico, do polvilhar, que outros utilizam, para exemplificar a troca de bola.

 

Bem sei que os rapazes são profissionais, que já levam muitos anos de ofício, mas e se os pusessem a jogar aqueles jogos de miúdos, do género: antes de rematar à baliza, têm que dar entre si, pelo menos uns 20 toques na bola? Se não derem, mesmo que marquem golo, não vale.

 

No fundo, o Herrera faz-me lembrar de mim mesmo, quando jogava basquetebol. O jeito era muito pouco, mas como naquele tempo a altura - por incrível que pareça! - e a força, não faltavam, o treinador, quando era preciso dar descanso a alguém, ou queria uma defesa mais agressiva, não tinha outro remédio senão incluir-me na rotação.

 

Uma espécie de del Corral, do Real Madrid, ou dos nossos Fernado Sá ou Rui Pereira.

 

Acho que com o Herrera se passa algo de semelhante, e o treinador põe-no a jogar, de tal maneira que na época passada conseguiu ser dos mais utilizados.

 

É feitio, mas principalmente é defeito, e pode ser trabalhado. Eu levei quase 20 anos para o perceber. Tarde de mais. Se o Herrera tomar consciência das suas limitações, e tentar corrigi-las, talvez ainda vá a tempo.

 

Podia começar já hoje. Haja esperança.

publicado por Alex F às 10:49
link do post | comentar | favorito
|

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds