Quinta-feira, 22 de Maio de 2014

Incompetência: uma estranha forma de vida

Os dois primeiros títulos de campeão nacional que não conquistámos nos últimos dez anos tiveram a assinalá-los algumas efemérides, que fazem deles qualquer coisa de irrepetível.

 

Primeiro foram o Estorilgate, os sumaríssimos, a cunha leal na Liga, para não falar dos penáltis do Sabrosa, ou do treinador campeão, que zarpou com saudades da família, e que está a demorar mais tempo a reencontrá-la do que o ET a chegar a casa.

 

Depois, no segundo, seguiram-se o túnel, o Ricardo Costa, a despedida do Lucílio Baptista e os golos anulados ao Falcao.

 

 

 

O título de campeão que não conquistámos esta época, quanto a mim, também fica assinalado por uma efeméride digna de registo, e que não tenho visto exaltada com frequência.

 

Não, não estou a falar do tripletezinho, que esse é mais badalado que o chocalho de uma vaca leiteira. Refiro-me à profissionalização da arbitragem.

 

Pois é, esta foi a temporada da profissionalização da arbitragem.

 

Acho que a única vez em que estive de acordo com o Paulo Bento, foi quando ele, a propósito da profissionalização da arbitragem, concluiu que a única diferença era que em vez de termos amadores incompetentes, iríamos passar a ter profissionais incompetentes.

 

E no entanto, para quem vê de fora, as coisas até não terão corrido excessivamente mal. Como acontece esporadicamente, sempre que um certo e determinado clube é o campeão, as razões de queixa são poucas, e apenas o segundo classsificado, fez por tomar o lugar do clube que mais reclama sempre que não ganha. Tudo normal, portanto.

 

Porém, aquilo que se viu foi que a premissa que supostamente, serviria de base a quem nomeia os árbitros: "os melhores árbitros para os melhores jogos", depressa se veio a revelar chão que deu uvas. Grande parte das arbitragens, com a do Estoril x FC Porto à cabeça, pareceram em vez disso,  o resultado de valentes pielas, ao passo que outras foram protagonizadas por verdadeiros artistas.

 

Mas o que é que foi feito afinal dos "melhores árbitros para os melhores jogos"?

 

Se partirmos do princípio que os melhores jogos serão aqueles que envolvem os clubes melhor classificados, e que os melhores árbitros serão os internacionais, aquilo que podemos constatar é que o campeão apenas teve onze dos seus trinta jogos dirigidos por juízes internacionais.

 

O segundo classificado teve dezasseis e o FC Porto, catorze.  Dir-me-ão talvez, que a diferença pontual cavada entre o primeiro classificado e as restantes equipas, terá tornado as coisas tão desinteressantes, que deixou de justificar-se a nomeação de árbitros de alta patente para as partidas disputadas pelo campeão.

 

Talvez. Mas, se aprofundarmos esta hipótese, o que verificamos é que cinco das arbitragens protagonizadas por internacionais aconteceram entre a 13.ª e a 19.ª jornada.

 

À 13.ª jornada, o futuro campeão seguia em terceiro lugar com 30 pontos, tantos quantos o FC Porto, e o primeiro era o Sporting, com 32 pontos. À saída da 19.ª jornada liderava com 46 pontos, o Sporting era segundo com 42 e o FC Porto, terceiro com 41 pontos.

 

A segunda leva de jogos do campeão apitados por internacionais, aconteceu entre a 25.ª e a 29.ª jornadas. Nada mais que quatro partidas.

 

Na 25.ª ronda o primeiro levava 64 pontos, mais sete que o segundo classificado, o Sporting, e o FC Porto quedava-se pelo 3.º lugar com 49. Pela 29.ª e penúltima jornada, o já campeão detinha 74 pontos, com a mesma diferença de sete pontos para o segundo classificado, que entretanto conquistara mais um ponto ao FC Porto, agora com 58 pontos.

 

Portanto, a tese do desinteresse para justificar a não nomeação de internacionais parece não se aplicar inteiramente, uma vez que mesmo quando as coisas pareciam encaminhar-se para aquele que viria a ser o desfecho final, continuaram a ser nomeados para os jogos do campeão.

 

Comparando, por exemplo, com o FC Porto, temos que a maior série de nomeações de árbitros internacionais para os nossos jogos, ocorreu entre a 20.ª e a 25.ª jornadas. Nada mais que seis, de seguida.

 

Aquando da 20.ª jornada, éramos terceiros, com 42 pontos, a dois do Sporting, e a sete do primeiro. Finda a 25.ª ronda, mantinhamos o terceiro lugar, mas a oito pontos do segundo e a quinze do primeiro. Não deixa de ser curiosa e por certo significativa, a diferença.

 

É claro que não podem ser sempre nomeados árbitros internacionais.Tem de haver alguma rotatividade, e todos, desde que habilitados para tal, devem ter a oportunidade de apitar jogos importantes.

 

Nem mais. Pois bem, onde é que fica a rotatividade se levarmos em linha de conta que dos 19 jogos do campeão, que não foram dirigidos por internacionais, nove deles tiveram a apitá-los apenas três árbitros?

 

Bruno Paixão, Paulo Baptista e Rui Costa foram, cada qual, juízes em três jogos do líder. "Os melhores árbitros para os melhores jogos"?

 

Paulo Baptista leva uma longa carreira, e apesar de já ter apitado a final da Taça de Portugal, não chegou a internacional. Rui Costa vai pelo mesmo caminho.

 

E quanto a Bruno Paixão, só se entende se for a personificação do "Princípio de Peter". Foi promovido até ao limiar da sua incompetência. Aí chegado, provou que era de facto incompetente, e foi despromovido, por isso, aparentemente, terá voltado a ser competente!

 

Há algo que não quadra aqui.

 

 
Como, de resto, também haverá naquelas teorias que dão o FC Porto como o menos interessado na profissionalização da arbitragem. Diziam que, com os árbitros a serem pagos pelo orçamento da Federação, ficaria menos espaço de manobra para os comprarmos por fora.
 
A ser assim, e combinando esta tese com aquela que faz do FC Porto o amo e senhor do "sistema", não teríamos qualquer interesse em ter árbitros internacionais nos nossos jogos. Ou teríamos? E afinal, quem é que teve menos internacionais a apitarem os seus jogos?
 
Visto de outro prisma, e pegando ainda no nosso suposto "domínio" sobre o "sistema", a existir, isso significaria que teríamos, por exemplo, sob controle, as promoções de árbitros a internacionais, e logo, a sua almejada profissionalização.
 
Assim sendo, fará sentido que outros, que não nós, tenham tido mais partidas dirigidas pelas grandes promessas da arbitragem?  

     

Tudo isto soa a incongruência, como também na aparência, têm sido ao longo dos tempos incongruentes muitas das nomeações de Vitor Pereira. Mas será mesmo assim?

 

Para terminar, este texto não pretende desculpabilizar a perda do título pelo maior ou menor acerto das equipas de arbitragem. O FC Porto perdeu este campeonato porque, em momentos decisivos, esta equipa primou pela falta de comparência.

 

O que escrevi tem apenas em vista, designadamente para memória futura, assinalar a efeméride de que o clube que teve o início do seu período áureo associado ao dealbar do profissionalismo dos jogadores, também fica associado ao primeiro título conquistado na era dos árbitros profissionais.       

sinto-me:
música: The boys are back in town - Thin Lizzy
publicado por Alex F às 00:45
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Diácono Remédios a 23 de Maio de 2014 às 00:17
O Porto perdeu o campeonato por causa dos árbitros? Onde já vai a lata!

Foi culpa dos árbitros os 4 meses de salários em atraso ao plantel?

Foi culpa dos árbitros que o Otamendi fosse à cara ao Paulinho Santos? E ameaçou o Fonseca?

Foi culpa dos árbitros terem um presidente que já não gere o clube?

Foi culpa dos árbitros a escolha do plantel? Licás, Josués, Quaresmas… venda de Lucho.

Foi culpa dos árbitros a vergonhosa carreira na Europa? 1 ponto em casa?

Calem-se, vocês são uma vergonha!
De Alex F. a 23 de Maio de 2014 às 00:38
Caro Diácono Remédios,
não havia nexexidade! Ora respire lá fundo, e leia o texto até ao fim, onde digo precisamente, que não foi pelas arbitragens que o FC Porto não ganhou. Leu? Percebeu?
Então pronto, pode ir dormir descansado, e deixe de avaliar os outros pela sua bitola.

Comentar post

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds