Domingo, 24 de Agosto de 2014

Quando demais, é de menos

Para Ivic, Gomes era finito. Octávio deportou Jorge Costa. Adriaanse encostou Vítor Baía, por causa do fraco jogo de pés e por não jogar a líbero.

Que necessidade tem um treinador, que supostamente, terá todo o apoio e mais algum, da direcção, de fomentar um conflito com um jogador, para o dispensar?

Que necessidade terá de pôr os adeptos a discutirem esse jogador, ou nem sequer isso?

Ele é o treinador. Não o quer? Assume, dispensa-o, e pronto. Se estiver para aí virado, eventualmente, justifica-se, e já está.

Qualquer coisa diferente, soa demasiadamente a Scolari.
publicado por Alex F às 01:15
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De apostar betclic a 29 de Setembro de 2014 às 22:18
A relação entre Lopetegui e Quaresma é um pouco assim. Ora joga, ora passa directamente para a bancada. Não se percebe.

Comentar post

.Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31

.posts recentes

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

. A merda, segundo o padrão...

. Um treinador de gestão

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds