Segunda-feira, 25 de Maio de 2015

They dance alone

ngB3E054E1-7E00-40DD-8EC6-54A02311B63A.jpg

 

“They’re dancing with the missing

 

(…)

 

They’re dancing with the invisible ones

 

Their anguish is unsaid

 

(…)

 

They dance alone

 

They dance alone

 

It’s the only form of protest they’re allowed

I’ve seen their silent faces scream so loud”

 

 

Alguém acredita que terá sido de ânimo leve, que as claques do FC Porto permaneceram em silêncio grande parte do tempo, e abandonaram o recinto antes de terminar o nosso último jogo?

 

Alguém acha que a atitude das claques significa, que por um momento que seja, deixaram de apoiar, de gostar, de viver, de sentir, o clube e a equipa?

 

Alguém duvida que na próxima temporada vão voltar a lá estar e a cantar e gritar os nomes dos jogadores que agora apuparam?

 

Alguém pensa que assobiam os jogadores na expectativa de que, com um estalar de dedos, como que num passe de magia, fiquem impregnados do ADN que não possuem, por muito cientificamente interessante que uma tal transfusão pudesse ser?

 

Eu acho que não, e não tenho a menor dúvida de que, na próxima temporada, lá estarão com os seus cânticos e o seu apoio. E tarjas.

 

Não acredito, nem por um segundo que seja, que tenham voltado as costas à equipa, ou que não se orgulhem do seu trajecto, e ainda menos que não respeitem o suor que alguns daqueles jogadores, nomeadamente os que vão sair, verteram naquelas camisolas.

 

Parece-me antes que, no actual estado de reactividade epidérmica, esta terá sido talvez, a forma de protesto possível.

 

Mais, não me afigura sequer que se trate de um protesto dirigido a alguém em particular. Nem aos jogadores, nem ao treinador, nem sequer à SAD ou ao presidente.

 

Pareceu-me antes uma chamada de atenção para o rumo que as coisas tomaram e, ao que parece, será para continuar autisticamente inalterado.

 

Um pai que dá uma palmada num filho, por este se portar mal, porventura deixará de o amar da mesma maneira?

 

Bem, na presente conjuntura, aquilo que acabei de escrever não é certamente politicamente correcto, e alguém ainda seria capaz de ir a correr chamar a Comissão de Protecção de Menores.

 

É isso, no fundo, que as claques aplicaram: uma palmada, um correctivo. Para que no futuro a asneira não se repita. Para que se arrepie caminho. Para que, ao menos, se oiça. Neste caso, ironicamente, o silêncio, como cantaram Simon & Garfunkel.

 

Seriam preferíveis apedrejamentos? Que se virassem e incendiassem viaturas ou que se saqueassem armazéns?

 

Essas, ultimamente, parecem ser actividades mais próprias para festejos, do que para manifestações de protesto.

 

E quanto a mim, nada disto não tem que ver com ser ou deixar de ser coerente, o essencial permanece lá, quero crer que intacto e imutável: a paixão pelo clube.

 

Ou seria melhor bater palminhas, e ficar alegremente a ver as coisas descambarem, como Nero num torpor esgazeado a olhar para Roma a arder?

 

Vale o que vale, mas se noutras ocasiões estive longe de concordar com a postura das claques, neste caso em particular, têm a minha total compreensão.

  

“Hey Mr. Pinochet

 

You’ve sown a bitter crop

 

It’s foreign money that supports you

 

One day the money’s going to stop

 

No wages for your torturers

 

No budget for your gun

 

Can you think of your own mother

 

Dancin’ with her invisible son”

 

Nota: não me levem a mal por ir buscar esta música, que retrata e tem a ver com coisas muito mais sérias do que este assunto. Por favor, ao lerem coloquem as coisas na sua devida proporção. Relativizem. Foi apenas a música que imediatamente me ocorreu.

 

Também não me levem a mal a referência a Pinochet. Está na música, e ao mantê-la não estou a fazer qualquer comparação entre personagens históricas. Quanto muito, uma longíqua, mas possível analogia de situações… 

 

música: They dance alone (Gueca solo) - Sting
publicado por Alex F às 13:25
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Jorge Vassalo a 25 de Maio de 2015 às 14:09
Apoio o direito das claques em protestar. Até concordo com o protesto.

Mas não posso nunca concordar com a saída antecipada. Nem com a não despedida condigna de um jogador que TODO O ANO deixou a pele em campo.

Porque não foram todos iguais.

Abraço Azul e Branco,

Jorge Vassalo | Porto Universal (http://portouniversal.blogspot.com)
De Alex F a 25 de Maio de 2015 às 23:06
Olá Jorge.

Não faço ideia do que terá levado as claques a optarem pela saída antecipada, mas não creio que tivesse por objectivo evitar despedire-se de que quer que seja.

Parece-me mais lógico que tenha a ver com questões de visibilidade e impacto.

O que era bonito era uma bela festa, com os jogadores a serem chamados um a um pelos nomes, para os adeptos se despedirem condignamente deles.

Infelizmente a maré não está para festas.

Por outro lado, houve tantos outros, com historiais com as nossas cores tão ou mais relevantes que o Danilo, que saíram sem que eles próprios soubessem que era a última vez que jogavam pelo FC Porto, que não dou grande importância a isso.

O que verdadeiramente me preocupa é a segmentação dos adeptos. É o FC Quaresma, é o FC Assobios e a massa assobiativa, agora são as claques.

Ou são sempre os mesmos, e não estão do lado da razão, ou, efectivamente, algo de verdadeiramente preocupante se estará a passar.

Abraço
Alex
De Alex F a 25 de Maio de 2015 às 23:09
"Despedirem-se de quem quer que seja" e "que o do Danilo".

Escrever no tablet, dá nisto...

Comentar post

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

. Ser ou não ser, um apelo ...

.Facebook

.Let's tweet again!

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds