Quinta-feira, 22 de Novembro de 2012

Passou-se

 

Bem, as coisas não correram como se esperava, mas é como encontrar alguém na rua, após uma daquelas passagens de anos em que nada de especial acontece:

 

“Então como é que correu?”

 

“Passou-se…”

 

(este “passou-se” pode ser interpretado num outro sentido, mas não é a esse a que me refiro)

 

Assim foi mais este adversário: “passou-se”. Para quem, como eu, esperava uma entrada triunfal, marcar o primeiro, marcar o segundo, e depois sim, entrar na gestão do plantel, tendo em conta o compromisso do próximo fim-de-semana contra o SC Braga, nada disso aconteceu.

 

Digamos que o opositor era daqueles tão enfezadinhos que as meias-tintas chegaram e sobraram. O ritmo foi aquele que foi, e chegou quanto baste para atingir o resultado que antecipara, apenas com uma única unidade em alta rotação, o João Moutinho.

 

No mais, “passou-se”.

 

Mas atenção, não queiram ler aqui uma crítica veemente à nossa exibição. Nada disso, estivemos focados, e fizemos o suficiente para, ainda que com pouco brilhantismo à mistura, superar mais um passo em direcção ao primeiro lugar do grupo e meter ao bolso mais um milhão de euros.

 

Achei interessante um comentário do nosso treinador, quando confrontado com a situação que vivia há um ano atrás, e com aquela que experimenta hoje, e que ajuda grandemente a explicar as diferenças:

 

«Faz parte da vida, é preciso crescer e isso acontece fundamentalmente nas dificuldades. O contexto é diferente este ano, o trabalho é o mesmo, as cabeças estão limpas, focadas e quando assim é...»

 

Quanto a mim, os motivos de interesse não param por aqui. A tal gestão do plantel, apesar de tudo, foi feita. O Fernando e o Alex Sandro sempre jogaram uns minutitos, para aquecerem para Braga, e o Atsu também.

 

Convenhamos que seria injusto para este último, depois da exibição contra o Nacional da Madeira.   

 

Mas há mais. Gosto muito da nossa defesa. Estou a gostar muito de ver o Abdoulaye. Pronto, tem daquelas coisas que o rapaz não consegue evitar, e que lhe fazem sair na rifa cartões amarelos, quiçá desnecessários.

Se pensarmos num Fernando Couto, num Jorge Costa ou num Bruno Alves, por acaso eram meninos de coro?

 

E também não desgosto do Mangala. Está à esquerda por necessidade, mas não compromete por aí, além. É um pouco como o colega anterior, às vezes, exagera um bocadinho. No cômputo geral, o que é isso?

 

Há ainda outro aspecto que me agradou de sobremaneira, e que também tem que ver em parte com o Mangala.

 

Sai o Abdoulaye por, lá está, um daqueles amarelos, e entra o Alex Sandro. O francês vai da esquerda para o meio, e siga a marinha.

 

Sai o Lucho Gonzalez, entra o Christian Atsu. Este vai jogar junto à linha, e o James interna-se para assumir o papel do Lucho.

 

Ou seja, temos polivalência. Temos alternativas na equipa para várias posições, e até dentro do onze inicial, os que iniciam o jogo podem mudar de posição durante a partida, não estamos na dependência de trocas directas, muito mais previsíveis para os adversários.

 

É bom sinal. Quanto a mim, pelo menos.

 

…e venha de lá o SC Braga.

sinto-me:
música: Everything's coming up roses - Black
publicado por Alex F às 18:24
link do post | comentar | favorito

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Coisas diferentes, talvez...

. O efeito Mendes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds