Quinta-feira, 7 de Março de 2013

A minha pequena lista das bestas negras do FC Porto

Ao contrário do que o título possa sugerir, o tema daquilo que vou escrever não tem rigorosamente nada que ver com árbitros. Nada de Lucílios, Elmanos, Joões “pode vir o João” Ferreiras, e afins.

 

Nem sequer vou debruçar-me, ao de leve que seja, sobre a nomeação do Nuno Almeida, para o nosso próximo jogo contra o Estoril-Praia.

 

Foi precisamente por irmos defrontar os “canarinhos”, e virmos de levar com um golo do Rio Ave, marcado pelo Braga, que me surgiu a ideia: puxar pela memória, e tentar recordar alguns jogadores adversários, que se constituíram para nós, umas autênticas bestas negras, ou em francês, “bêtes noires”, que sempre fica mais bonito.

 

O único critério que utilizei foi apenas o da minha memória. Há aqui jogadores que sempre que nos defrontavam, brilhavam, e outros que, uma vez na vida, as coisas lhes correram bem. E logo haveria de ser contra nós.

 

Há os que nos marcaram golos, e os que nem isso fizeram. Mas já chega, vamos lá começar:

 

 

Manuel Abrantes (Estoril-Praia).

 

Só me recordo dele como guarda-redes, precisamente do Estoril-Praia, onde jogou entre 1978/1979 e 1984/1985.

 

Fazia tais exibições sempre que nos defrontava, que nunca mais me esqueci dele. O expoente máximo terá sido na temporada de 1982/1983, em que defendeu um penálti do Fernando Gomes, que ao nosso presidente também não esquece.

 

Figueiredo (Rio Ave)

 

Jogou apenas uma temporada no Rio Ave, a de 1981/1982, pois e logo nessa malfadada época os vilacondenses derrotaram-nos em plenas Antas, e o Figueiredo, que até nem era defesa que marcasse muitos golos, apontou o golo da vitória.

 

Ainda recentemente no Porto Canal, o Carlos Brito recordou esse episódio. Diria que foi o ponto alto da carreira do Figueiredo, de quem nem sequer consegui encontrar uma fotografia.

 

 

Artur (Boavista)

 

O sacana do brasileiro dos axadrezados que fazia questão de nos infernizar a vida de cada vez que nos defrontava. Por acaso, até nem nos marcou muitos golos. Para o campeonato, foram apenas dois em oito jogos.

 

Mas jogava e chateava que se fartava. A solução foi contratá-lo, no entanto, o golo em Milão não apagou as más memórias. É caso para dizer, perdoado, mas não esquecido.

 

 

 

Lima (Belenenses)

 

A este rapaz fizeram-lhe bem as mudanças de ares. Deu-nos mais trabalho na época em que jogou pelo Belenenses, nomeadamente na Taça de Portugal, do que em Braga, ou até agora, na Cesta do Pão.

 

Oxalá continue o bom trabalho.

 

 

Fábio Coentrão (Nacional da Madeira). Neste vê-se um brilhozinho nos olhos sempre que nos defronta, e pressente-se uma elevada estima, de cada vez que fala de nós.

 

Nunca percebi porquê. Terá sido recusado nos treinos de captação quando era pequenino? É que nem sequer esteve nos cincazero. Não percebo.

 

No entanto, o jogo que retenho na memória em que mais nos fez a vida negra, foi ainda com a camisola do Nacional da Madeira.

 

Na última partida de 2007/2008, quando com o título conquistado, perdemos 0-3 em pleno Dragão, com dois golos deste fulano. Aaargh!

 

 

 

Pizzi (Paços de Ferreira)

 

Não me recordo de muitos jogadores que tenham conseguido facturar um “hat-trick” contra nós. Muito menos no Dragão.

 

O imberbe Pizzi, conseguiu-o. Raios o partam!

 

 

 

Hugo Vieira (Gil Vicente).

 

Um benfiquista ferrenho, como se nota perfeitamente sempre que nos defronta, pela forma como corre e se entrega ao jogo.

 

Por enquanto, não nos causou grande mossa, apesar de ter estado na nossa derrota por 1-3, na temporada passada. Mas aí, muito mais mossa causou o Bruno Paixão, do que qualquer jogador gilista.

 

Ainda que sem grandes efeitos práticos, para já, parece dar-se melhor com o Sporting, a quem recentemente marcou dois golos.

 

 

Braga (Rio Ave)

 

Em 2008/2009, com a camisola do Leixões, deu uma amostrazinha da sua graça, e marcou-nos dois golos.

 

Há duas semanas voltou a molhar a sopa.

 

Estes são apenas alguns exemplos. Certamente muitos mais poderemos acrescentar, mas como mencionei no título, esta é apenas a “minha pequena lista".

 

Nomes como o Erwin Sanchez, o João Vieira Pinto ou o Beto Acosta, que partiu a cara ao Paulinho Santos, podiam perfeitamente ser incluídos.

 

No entanto, aqueles que indiquei são os que mais me marcaram, e ainda marcam.

 

Se porventura se lembrarem de outros, estejam à vontade para acrescentar.

sinto-me:
música: Beauty of the Beast - Nightwish
publicado por Alex F às 13:27
link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De Mário a 8 de Março de 2013 às 01:12
Só um reparo: Tenho quase a certeza que o concentrao jogou nos 5-0. Mas foi o David Luiz o defesa esquerdo.
http://www.zerozero.pt/jogo.php?id=1270550
De Alex F a 8 de Março de 2013 às 09:46
É verdade Mário, tem toda a razão. O concentrão, como lhe chama, esteve mesmo nos cincazero. Erro meu!

Lembrava-me que o David Luiz tinha jogado a defesa-esquerdo, e nem me dei ao trabalho de confirmar se o outro lá tinha estado ou não. Esteve, e ainda bem para ele.

Obrigado pelo reparo.

Comentar post

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Coisas diferentes, talvez...

. O efeito Mendes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds