Segunda-feira, 29 de Novembro de 2010

Palhaçada!

 

 

Jorge Sousa resolveu apresentar em Alvalade, sob os auspícios dos, supostamente, seus companheiros de clube, a sua candidatura à renovação do título de “Melhor Árbitro”, e vai daí, foi aquilo que se viu.

 

Jorge Sousa é, quanto a mim, sem sombra de dúvidas e a par de Pedro Proença, um dos melhores árbitros nacionais. Contudo, muito por força da sua preferência clubística e do seu passado de Super Dragão(?), tem sido perseguido pelas eminências pardas (ou parvas) do regime encarnado.

 

É curioso que, quando assinalou em Leiria, na época passada, aquele penálti que deu a vitória ao mais grande do Mundo do arredor de Carnide, no mínimo dos mínimos, duvidoso, ninguém se queixou.

 

Depois, quando lhes anulou um golo em Braga, é que a porca começou a torcer o rabo. Seguiu-se a final da Taça Lucílio Baptista, e aí, nem a vitória, os calou. O teste veio com a nomeação para o derradeiro jogo da época, contra o Rio Ave. Uma nomeação comprometedora, de um árbitro comprometido, para um jogo inacreditavelmente decisivo. Se corresse mal, era o fim do Mundo, lá para os arredores de Carnide.

 

Correndo as coisas como se esperava, parecia que a coisa ficaria por ali. O aviso para o Jorge Sousa de que não era assim, soou quando o Pedro Proença foi considerado o melhor árbitro da época passada.

 

Já nesta temporada, o Rio Ave x FC Porto, e as derrotas do mais grande contra a Académica e o Nacional da Madeira, vieram reavivar velhas mágoas logo à terceira jornada.

 

Com esta indigitação, e com o trabalho que realizou, o Jorge Sousa mostrou que compreendeu o recado. Dou de barato o lance do fora-de-jogo no golo sportinguista, porque esse é da lavra do auxiliar, mas o lance da expulsão, revela tudo sobre a sua motivação.

 

Nesse lance não se vê a posição do Jorge Sousa, que pode estar nas costas dos jogadores envolvidos. Se está nas costas, dificilmente terá vislumbrado qualquer falta (até porque não existiu!).

 

Se assim foi, teria necessariamente que ter ficado na dúvida. Mesmo assim, e encontrando-se envolvido na jogada o Liedson, que todos conhecemos de ginjeira, tomou não só a decisão de marcar a falta, como a ainda mais gravosa, de expulsar o Maicon.

 

Ou seja, disse alto e bom som ao que ia.

 

  

  

 

 

“Fizemos um jogo tacticamente perfeito até à expulsão de Maicon, com excepção para o lance que dá o golo do Porto”

 

“O FC Porto na Turquia foi elogiado por jogar com dez e ganhar por 3-0. Foram só flores”

 

“O Porto foi muito bem anulado pelo nosso posicionamento”

 

“Não fomos inferiores ao Porto” 

 

Leio, depois de as ouvir, estas declarações do treinador do Sporting, porque é sempre bom confirmar, e chego à conclusão que o gajo é mesmo um Cepo.

 

Portanto, o FC Porto não conseguiu fazer as flores que fez na Turquia, a jogar com dez (e com nove), porque foi anulado pelo bom posicionamento do Sporting. Que, por sua vez, fez um jogo tacticamente perfeito até à expulsão do Maicon, ou seja, até o FC Porto jogar com dez.

 

Basicamente é isto, não é? Ah, e não foram inferiores ao Porto.

 

Pois não Cepo, mas foram inferiores ao Vitória de Guimarães e ao Olhanense (entre outros!). Acaso não tenhas percebido, o futebol a sério, joga-se de onze para onze. Não ser inferior a uma equipa que joga com dez, deve ser uma grande consolação.

  

Continua assim, ó Cepo, que vais longe!

  

 

 

Desconheço a actividade profissional da infeliz progenitora desta indigente criatura, por isso, e só por isso, não lhe vou chamar aquilo que na verdade me apetecia.

 

Continua a sua brilhante carreira por terras dos portugas, a enganar quem se deixa enganar (e, vai na volta, ainda agradece em cima). Todos o conhecem, todos sabem do que é capaz, e todos vão na dele. Um caso de sucesso.

 

Ficamos a aguardar pelo sumaríssimo e pela multa, por ludibriar daquela maneira o Super Dragão.

  

  

 

 

Depois de duas partidas de castigo, regressar e ter uma entrada como aquela que teve aos 60 minutos de jogo, sobre o João Moutinho, é de…Maniche.

  

 

Arrepiante! É claro que não anda lá dentro para magoar ninguém!

  

…e um sumaríssimo, que mais não fosse pela reincidência, não vai?

  

 

 

Por motivos óbvios.

 

 

Depois do patrão vir dizer que era com ele que ia continuar a ganhar (o quê? Cabelos brancos?), lá se descoseu e veio admitir a sua responsabilidade no trajecto ziguezagueante da equipa.

 

É de homem. Macho.

 

Porque é que não o fez antes? Teve medo que utilizassem esse argumento como fundamento para o despedimento com justa causa?

  

Machão!

  

 

 É de palhaços que se fala, não é?


Nota1: Com este texto não pretendo, de forma alguma, ofender esses nobres profissionais da arte fazer rir, a quem estes fazem concorrência desleal, os “palhaços”. Pelo contrário, se algum dos visados se ofender, tanto melhor…

 

Nota2: Na época passada, o campeão pré-anunciado também foi empatar a Alvalade. No final do encontro, o seu treinador, que acabou o jogo a defender o nulo inicial, se bem se lembrarão, regozijou-se porque tinha afastado um rival da luta pelo título.

 

O Sporting ficara então, a 13 pontos do SC Braga, que liderava com 28 pontos, a 11 do futuro campeão e 8 do FC Porto.

 

Nós, mantivemos o Sporting a 13 pontos e estamos 8 à frente do campeão, no entanto, soube a pouco…

 

São estes pormaiores que fazem a diferença!
sinto-me:
música: Thought you were om my side - Cock Robin
publicado por Alex F às 19:43
link do post | comentar | favorito

.Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O efeito Mendes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

. A anormalidade normal

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds