Sexta-feira, 8 de Abril de 2011

Quis custodiet ipsos custodes?*

 

Portanto, fazendo as contas:

 

Jorge Sousa, Sporting x FC Porto, prejudica o FC Porto. Bom.

 

Carlos Xistra, SC Braga x outra equipa qualquer, na hipótese remota de, eventualmente, quiçá, não ter beneficiado suficientemente a outra equipa qualquer, e, por azar, até, talvez hipoteticamente, a ter prejudicado. Mau.

 

Duarte Gomes, outra equipa qualquer x FC Porto, beneficia a outra equipa qualquer e, simultaneamente, prejudica o FC Porto. Bom.

 

É mais ou menos esta a lógica, não é?

 

Bem, pelo menos ficámos todos a saber que o homem que lança petições pela "verdade desportiva", afinal de contas não pesca nada de futebol.

 

Já agora, só uma ideia parva que me discorreu, como quase todas as que me assolam a mente. Como somos o País das comissões disto e daquilo, porque não criar uma comissão para avaliar o trabalho dos árbitros?

 

Após o términus da partida, e logo que se apagassem as luzes, o que varia consoante os estádios, reuniam-se os delegados ao jogo de ambas as equipas e o observador de árbitros.

 

Para além destes, a comissão poderia integrar mais um quarto elemento. Uma personalidade imparcial de renome e impoluta reputação do panorama futebolístico. Assim de repente, ao calhas, ocorrem-me três nomes para membros efectivos: António-Pedro Vasconcelos, Fernando Seara e Rui Gomes da Silva.

 

Os suplentes poderiam ser, sei lá, o Manuel dos Santos ou o Sílvio Cervan, ou mesmo o Barbas. Ou então o Cruz dos Santos, que até percebe de arbitragem, e já percebeu que o fora-de-jogo posicional não depende do facto de o jogador se encontrar de pé, sentado ou deitado.

 

Os lances a apreciar seriam os escolhidos pelo observador, e poderiam ser utilizados todos os meios de análise, tecnológicos ou não. O observador de árbitros presidiria a comissão, e como tal teria voto de qualidade, na eventualidade de ocorrerem empates, uma vez que são quatro os elementos constituintes da comissão.

 

Da reunião, que teria uma duração limitada, para aí uns quinze minutos, como acontece nos programas desportivos de segunda e terça-feira, seria lavrada uma acta, que seria publicitada e ditaria a classificação do árbitro da partida.

 

O que é que acham?

 

No entretanto, "quem guardará os guardas"?

 


 

(*) É mais conhecida a formulação inglesa desta expressão latina, que é "who guards the guards?". E de facto, só fiquei a saber que existia esta expressão em latim, a partir da leitura do livro "Fortaleza Digital", do Dan Brown.

 

Em português, significa qualquer coisa como, "quem guardará os guardas".

música: Private dancer - Tina Turner
sinto-me:
publicado por Alex F às 23:50
link do post | comentar | favorito

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Coisas diferentes, talvez...

. O efeito Mendes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds