Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2012

Não precisa explicar, eu só queria entender…

“Entre os anos 70 e 80, tinha um programa humorístico na TV Globo, que se chamava Planeta dos Homens. A presença de grandes artistas dava ao programa global uma grande audiência (…).

 

Eu era adolescente, mas me lembro de um personagem que marcou muito o programa, que usava o bordão que dá título ao artigo. A frase, à época, era usada por crianças, adultos e velhos.

 

O personagem, um macaco, chegava perto de um humano e fazia uma pergunta que remetia a uma resposta óbvia, de simples resposta. Mas o humano, na hora da resposta, complicava tudo e o macaco dizia: «não precisa explicar, eu só queria entender»”.

(introdução sacada daqui)

 

Na semana passada, o Zé Luis, a propósito do texto “Este futebol não é para velhos”, que escrevi, questionava-me se já me tinha perguntado, como ele havia feito a si próprio, “porque raio a SAD não antecipou este jogo”.

 

Respondi-lhe que sim, já tinha perguntado, e que o meu receio era que as contratações do Lucho e do Janko não passassem de circo, como o Jorge havia em tempos, mencionado no Porta 19, pois talvez as expectativas da SAD em relação ao que resta de temporada, fossem ainda mais baixas que as nossas, de adeptos.

 

Mais, que quanto ao nosso treinador, não o entendia (e não entendo), pois o seu leit motiv parece ser chegar ao fim-de-semana, com a consciência tranquila de ter feito um bom trabalho durante a semana. O resto, ou seja, o que possa acontecer nos jogos, é acréscimo.

 

Depois da partida com o Vitória sadino, confesso que, fiquei com remorsos. Afinal, uma vez disputado o jogo, tudo parecia estar perfeitamente estudado, programado, enfim, sob controlo.

 

O Vitória de Setúbal é, na minha ótica, sem margem para grandes dúvidas, e a par da União de Leiria, uma das duas equipas mais fracas da Liga Zon Sagres. Ao contrário de nós, adeptos impreparados para a interpretação dos signos metafísicos desta ciência oculta que é o futebol, o nosso treinador, e, quiçá, por extensão, a própria SAD, estavam bem cientes disso.

 

Então, para quê antecipar ou adiar este encontro?

 

Desta forma, pudemos fazer uma espécie de recuperação activa do esforço despendido na quinta-feira. Que jogo melhor do que este para o nosso treinador recuperar do lugar recôndito onde o exilou, o Sapunaru, e dar-lhe uns minutos de jogo? Com o Danilo e o Mangala lesionados, e o jogo no Estádio da Lucy a aproximar-se, o rapaz, pelos vistos, até resolveu começar a portar-se condignamente.  

 

O Otamendi, que não jogou por castigo as duas últimas partidas, para a Liga e para a Champions, regressou à competição, e assim sempre ganha algum balanço para Manchester, e o resto da temporada, já agora.

 

O Alex Sandro, que tanto azar tem tido com lesões, também teve a oportunidade de rodar, e ganhar minutos, à conta do castigo do Álvaro Pereira, que muito provavelmente, dentro da política natural de gestão do plantel seguida, e tendo em conta que se encontra castigado para a Liga Europa, mesmo que estivesse disponível, o mais certo seria não alinhar.

 

Assim, cumpriu castigo contra o Vitória de Setúbal. Sopa no mel. Acaso a partida tivesse sido antecipada ou adiada, quando iria ele cumprir o castigo?

 

No centro nevrálgico das operações, bastaram o Fernando e o João Moutinho em alta rotação durante a primeira parte. Na segunda o Moutinho, que previsivelmente, vai ter a sobrecarga adicional do tal malfadado particular da selecção portuguesa, teve o merecido repouso.

 

Tal como o Lucho Gonzalez. Se bem que neste caso, não sei muito bem donde é que lhe adveio a mais que evidente necessidade de descanso.      

 

Ver o Lucho Gonzalez em campo, com excepção de um momento único, em que efectuou um alívio junto à nossa defesa, fez-me lembrar uma partida de ping-pong entre dois chineses. Mas um jogo em que um dos chineses jogasse ao ritmo normal, e o outro respondesse com movimentos de tai-chi. Este, seria o Lucho, obviamente.

 

O Fernando teve a sua pausa no desaire de Barcelos, e está com uma rotação de tal maneira elevada, que mais vale deixá-lo andar.  

 

No ataque, era inevitável o Janko, que necessita de se ambientar à equipa, e que não pode fazê-lo na Liga Europa, portanto, este desafio nesta altura, vinha ao queres.

 

 

Para não falar do Silvestre Varela e do Hulk. O Varela precisa de jogar para ganhar ritmo, desiderato que, desde o início da temporada ainda não logrou atingir de forma consistente, e que todos esperamos, o consiga fazer antes de Setembro.

 

O Incrível, como já li num comentário, está também num processo de recuperação de um período de paragem, e necessita desesperadamente de jogar para ultrapassar o estado de idiotice amorfa, em que se encontra. Isso, e que lhe deem uma porrada valente nos calcanhares. Salvou-se o passe para o golo do Fernando.

 

Acrescente-se o Maicon, que fez uma série de jogos consecutivos como lateral, passando nos dois últimos, em que o Otamendi esteve ausente, da lateral para o centro da defesa, e de volta à lateral, por lesão do Danilo contra o Manchester. Poderá, por isso, estar a ressentir-se do esforço físico e psicológico. Isto apesar de ser o próprio a afirmar encontrar-se num bom momento.

 

Poderia ter saído do onze o Rolando, que esteve, no domínio da marcação visual ao Meyong, mais ou menos ao nível dos melhores momentos dos defesas do Vitória, em vez de interromper o pico de forma do Maicon?

 

Podia. Mas o Rolado teve o seu merecido descanso na recepção ao União de Leiria. Agora era a vez do colega.

 

Ou seja, como se vê Zé Luis, estamos para aqui a preocuparmo-nos com pormenores, como antecipações e/ou adiamentos de jogos para nada. Não vale a pena andar à procura de explicações elaboradíssimas e grandes exercícios de retórica mistificadora.

 

As coisas são como são, e só alguns pseudo-intelectuais é que se divertem a fazer do futebol uma ciência oculta para terem do que falar e escrever.

 

Entreguemos com confiança os nossos destinos nas mãos da SAD e do Vítor Pereira, que está tudo sob controlo. Para bom entendedor meia palavra basta, e o que não tem explicação, explicado está.

 

 

 

 

 

sinto-me:
música: Cloudbusting - Kate Bush
publicado por Alex F às 19:13
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Jorge a 20 de Fevereiro de 2012 às 20:57
certo. mas e se tivesse corrido mal? e se a vitória tivesse de ser arrancada das mãos de um monstro com um misto de ineficácia e cansaço? hindsight is 20/20, lá está :)
De Alex F a 20 de Fevereiro de 2012 às 23:06
Basicamente, estávamos lixados com F grande, meu Caro Jorge.
Repara que os meus remorsos são após o jogo, e que as justificações que desencantei para o não adimanento do jogo, e para a equipa e as substituições feitas, são minhas.
Não sei se baterão certo com as da SAD, se as houver, e muito menos do nosso treinador.
Por mim, para meu descanso pessoal, e eventualmente de mais alguém, gostava muito que fossem.
Mas, muito sinceramente, parece-me que a música aí é outra.
Conheces o "Epitáfio" dos Titãs?

"O acaso vai, me proteger
Enquanto eu, andar distraído"
De Alex F a 20 de Fevereiro de 2012 às 23:07
Obviamente, "adiamento", e não o que lá está.

Comentar post

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Coisas diferentes, talvez...

. O efeito Mendes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds