Quinta-feira, 26 de Setembro de 2013

Super herói dos tempos modernos - o defensor dos jogadores e dos adeptos

 

 

Esta nova estória do pateta platinado tem potencial para fazer jorrar rios de tinta. Também pudera, o fulano desta vez não se limitou a ser igual a si próprio. Superou-se.

 

Experimentem vocês, à saída de um concerto ou de uma semana académica, interceder junto da polícia por um amigo, que azar dos azares, calhou ser parado, não sendo portador de documento de identificação válido.

 

Com um bocado de sorte não levam vocês, e ele, umas valentes bordoadas na mona, e ganham um passeio de ida num carro celular até ao xilindró mais próximo. E quase de certeza que ninguém vai estar preocupado com a reacção do povo que está à volta...

 

É claro, que o mais provável e natural, é que tudo isto vá dar em nada. Ou quase nada. Como um castigo com as competições paradas, ou uma suspensão a terminar com precisão cirúrgica no cagagésimo de segundo imediatamente anterior a que a equipa do sacripanta nos enfrente. O costume.

 

As opiniões sobre o assunto, variáveis consoante a cor clubística, são algumas delas de uma riqueza bem demonstrativa da natureza dos indivíduos que as emitem.

 

Por exemplo, o próprio, diz que não agrediu ninguém. Para António Figueiredo, antigo dirigente do clube do pateta platinado, estão, à semelhança do sucedido com o original, a tentar crucificar o coitado e atingir o clube.

 

Manuel Sérgio recorre às palavras do próprio Papa para defender o amigo, e sentenciar de morte o caso. Talvez lhe valha que o tempo já levou os seus melhores dias, para se safar da blasfémia.

 

Aquele outro comediante, o dos apêndices auditivos protuberantes, cavalgando a situação, e esquecendo que, se a memória não me falha a mim, no meio daquela palhaçada que foi o Apito Dourado, que mais não seja, há pelo menos uma decisão proferida por um tribunal administrativo e fiscal de Lisboa, compara o sucedido com a tragicomédia amadora da Amoreira.

 

Não surpreende. Pois se o homem que não agrediu ninguém, até pediu desculpa, quando se apercebeu que um dos envolvidos na confusão era um agente da autoridade. Com um segurança, não há azar. Com um agente da autoridade, a coisa pia mais fino. Engraçado, tenho a ideia que num certo túnel, as apiniões divergiam.

 

É claro que o próprio dá outra versão dos factos, mas o que é isso? Peanuts.

 

Enfim, fico-me apenas pelo hilariante da questão, para não vos maçar com as exaustivas opiniões e pareceres jurídicos, e com os extensos róis, minuciosamente descritivos, das situações que poderiam levar alguém mais distraído, a tomar aquele indivíduo como um perigoso reincidente em matéria de mau comportamento, com uma leve tendência para o agravamento.

 

Há porém um ou dois pormenores deliciosos, que não vi serem muito debatidos. Aliás, eu próprio só me apercebi deles porque calhou ler um artigo em destaque nos blogues do Sapo.

 

O artigo em causa intitula-se ”Ganhar em três campos é caso de polícia”, e foi publicado no "Dia de Clássico". Abstenho-me de comentar o seu conteúdo, e vou apenas ao que, para o caso interessa.

  

Questiona então o autor, que "não se percebe, e foi essa a ideia com que fiquei, por que é que os jogadores deixaram camisolas na relva em vez de as atirarem, como é comum, aos adeptos. Para as bancadas. Alguns dos adeptos foram lá buscá-las – foram buscar as camisolas e não comemorar o que quer que fosse, é essa, repito, a ideia com que fiquei – e não o podiam fazer".

 

Ora aqui está uma boa pergunta. Porque raios é que as camisolas foram deixadas na relva? Porque carga d'água é que não as atiraram para a bancada, como é comum?

 

Estranho. Ou talvez não.

 

Mais adiante, constata o autor, quase respondendo à sua interrogação, que aquilo que o pateta platinado "fez é caricato e ridículo, só mesmo daquela personagem. Percebe-se por ser quem é, alguém que perde a cabeça com facilidade, mas também pela necessidade de (re)conquistar o coração dos adeptos...".

 

Porque será então, que àquelas almas terá passado pela cabeça deixar as camisolas no relvado, em vez de as atirar para a bancada?

 

Vá-se lá saber!

 

Mas surge a dúvida: foi um acto caricato dum pateta platinado de cabeça perdida, ou a reacção de alguém, a quem uns empata-hmm-hmm estragaram a festa?

 

Curioso, e o que alguns parecem ter perdido de vista, é que de acordo com o regime jurídico do combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nos espectáculos desportivos (Lei n.º39/2009, de 30 de Junho, na versão da Lei n.º52/2013, de 25 de Julho),

 

"Quem, encontrando-se no interior de um recinto desportivo durante a ocorrência de um espectáculo desportivo, invadir a área desse espectáculo ou aceder a zonas do recinto desportivo inacessíveis ao público em geral, é punido com pena de prisão até 3 anos ou com pena de multa" (n.º1 do artigo 32.º)

 

Por outro lado, parece que segundo o Código Penal, numa reunião pública, incitar alguém à prática de um crime, é também crime (n.º1 do art.º 297.º).

 

Que chatice!

 

E a porra das camisolas na relva, que não me saem da cabeça...      

música: We don´t need another hero - Tina Turner
sinto-me:
publicado por Alex F às 01:02
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 5 de Março de 2013

É que é cá duma puta ...

O Anti-Lampião deu o pontapé de saída ao recordar alguns episódios interessantes, como um certo perdão fiscal, a comissã...

Ler artigo
música: You talk too much - Run DMC
sinto-me:
publicado por Alex F às 13:30
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2013

É que nem pensem…

Como dizia recentemente, com toda a razão, Miguel Sousa Tavares na sua crónica semanal, “Estamos a entrar na altura da é...

Ler artigo
sinto-me:
música: I don't want to talk about it - Everything but the girl
publicado por Alex F às 13:19
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2013

Volta Calabote, estás...

Ou nem por isso. “Jogo empolgante e dramático de um campeão malogrado” (Título de primeira página) “A equipa cufista qu...

Ler artigo
sinto-me:
música: Same old story - Ultravox
publicado por Alex F às 13:21
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2013

Este é outro gajo, qu...

Cá está, seguindo na senda dos grandes goleadores, iniciada no texto anterior, outro gajo que também é bom comó cara...

Ler artigo
sinto-me:
música: Symphony of Tourette - Manic Street Preachers
publicado por Alex F às 13:16
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Terça-feira, 5 de Fevereiro de 2013

Jackson Martinez, Mes...

N’”O Jogo” hoje: "Lima surpreende a Europa" “(…) é hoje: nada mais nada menos do que o melhor marcador brasileiro a atua...

Ler artigo
música: La salsa de Amoreiras - Afonsinhos do Condado
sinto-me:
publicado por Alex F às 13:20
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013

A desonestidade intel...

Ontem à noite, perdi 25 minutos da minha vida a ver o “Trio d’Ataque”, coisa que não acontecia há bastante tempo. Digo “...

Ler artigo
música: Dr. Beat - Gloria Estefan & The Miami Sound Machine
sinto-me:
publicado por Alex F às 13:19
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Quando uma coisa é uma co...

. Concatena, filho, concate...

. Em questões de princípios...

. Mudam-se os tempos, mudam...

. No dia em que os porcos v...

. O reciclar do ciclo

. Meritocracia selectiva à ...

. Super herói dos tempos mo...

. É que é cá duma puta duma...

. É que nem pensem…

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds