Quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

Auxiliares de memória, precisam-se

Corria o ano de 1981, e em 1 de Março, o FC Porto veio a Faro defrontar o SC Farense para a Taça de Portugal.

 

O jogo saldou-se por uma vitória azul e branca, com o Sousa a ser o autor de ambos os golos.

 

Ao intervalo, um pai sportinguista mexeu os seus cordelinhos, e conseguiu infiltrar o filho portista, vá-se lá saber como e porquê, (que a mãe também é sportinguista!) no pátio de acesso aos balneários do velhinho Estádio de São Luís.

 

E foi ali, a acenar envergonhadamente com um bloquinho de notasaos jogadores que iam passando, para que o assinassem, que resolveu a dúvida existencial do primeiro embate entre aqueles dois clubes a que assistiu.

 

Trinta e três anos depois, quase trinta e quatro, no rescaldo de um recente repasto em família, enquanto procurava um antigo jogo de xadrez para os filhos, outra vez feito miúdo, deu de caras com um bloco de notas, feito por si na aula de Trabalhos Manuais, que detestava.

 

De dentro do bloco, saltaram as duas folhinhas abaixo reproduzidas.

 

Autografos.jpg

 

Algumas das assinaturas são perfeitamente identificáveis. Duda, Frasco, Freitas, Fernando, um defesa-central barbudo, que viera do SC Braga, o Albertino, hoje pintor.

 

Mas a que resta, por mais que me esforce, não consigo identificar. Não sei se será do Sousa, o herói desse jogo.

 

Será que alguém com boa memória e acuidade visual me consegue ajudar?

 

Nota: Ainda não vi o jogo de ontem, todo. Mas gravei-o, e conto vê-lo logo, por isso, hoje apeteceu-me encher chouriços com esta manobra de diversão.

 

Nota da nota: Prometo que, quando lá chegar, vou festejar o golo do Herrera, como se fosse um momento único e irrepetível!

publicado por Alex F às 13:52
link do post | comentar | favorito
8 comentários:
De Miguel | Tomo II a 2 de Dezembro de 2014 às 19:11
@ Alex

mais do que auxiliares de memória, no meu entendimento necessitas é de uma vassourada nalguns comentários que tresandam a um «glorioso» bafio do Antigamente...

abr@ço
Miguel | Tomo II
De Alex F a 2 de Dezembro de 2014 às 23:29
@Miguel,

Eu até gosto desses comentários. Dão-me a oportunidade de explicar e esclarecer certas coisas. que muitos ainda não entenderam, como: como é que é possível ser algarvio ou farense, e simultaneamente, portista?

E acredita, que quando é uma escolha perfeitamente racional, que não depende da filiação clubística do pai, da mãe, ou de qualquer outro membro da família, é muito fácil de explicar.

Acho é que perdi demasiado tempo na resposta que dei. O nome do clube bastava: Sporting Clube Farense.

O Sporting Clube Farense foi fundado em 1910. Os três grandes já existiam nessa altura. Certamente que os seus fundadores escolheram aquele nome porque gostavam muito do FC Porto e do outro clube.

Abraço

Alex

Comentar post

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Coisas diferentes, talvez...

. O efeito Mendes

. Quando uma coisa é uma co...

. O acordo necessário e a n...

. No limiar da perfeição

. In memoriam

. FC Porto 2016/2017 - Take...

. A quimera táctica do FC P...

. No news is bad news, (som...

. Poker de candidatos

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds