Segunda-feira, 25 de Junho de 2012

O Euro da crise do euro

Mais uma deslocação à capital do Império, que veio interpor-se entre mim e o computador, impedindo-me de comentar em devido tempo a passagem da nossa selecção às meias-finais do Euro 2012.

 

Depois, meteu-se o fim-de-semana. Ai, os fins-de-semana…A partir de que idade é que se podem mandar miúdos para colégios internos, de preferência na Suiça, ou coisa que o valha?

 

Para completar o bouquet, nunca mais acaba este maldito vento que ainda espalha os restos de polén primaveris, e que me acicata a maldita da rinite alérgica. Por isso, é ainda sob efeito do anti-histamínico que escrevo hoje. Dêem-me um desconto, ok?

 

Chegámos então às meias-finais do Euro. Quando digo “chegámos”, refiro-me aos três PIIGS, ainda em prova, a saber: Portugal, Itália e Espanha.

 

A Irlanda e a Grécia foram-se, e de PIIGS, ficámos com PIS. Não deixa de ser igualmente sugestivo, mas lá mais para os lados da Bélgica, que nem da qualificação passou…

 

 

Foi engraçado ver a chanceler Merkel a vibrar com os golos da sua manschaft, indo ao encontro dos PIS latinos, preguiçosos, folgazões e com muitos feriados nos seus calendários.

 

Que plano de saneamento financeiro será capaz de sobreviver a uma vitória de qualquer um destes países sobre a Alemanha? A troika permitirá esse tipo de veleidades?

 

A selecção alemã terá feito por cumprir os desejos subliminares mais recalcados (ou talvez não!) da chanceler e, talvez, de muitos dos seus compatriotas, e recambiou para casa a Grécia do engenheiro do penta. Não podendo, fazê-lo do euro, em nome da estabilidade monetária, fê-lo do Euro.

 

E a aproveitar de caminho para descansar a linha avançada, outrora titular.

 

Diga-se em abono da verdade, que se a presença da Grécia nos quartos-de-final foi de bambúrrio, nas meias-finais seria de bambúrrio, elevado a um expoente que tenderia para o infinito.

 

Nós fizemos a nossa parte. A República Checa foi fraquinha. Mais fraquinha do que contra a Polónia. Sem o Rosicky, não há por ali quem se habilite a pegar no jogo, e tanto o Jirácek, como o Pilar, não se viram.

 

Tinha visto bocados dos jogos em que os checos derrotaram os anfitriões polacos e os gregos, e muito sinceramente, o que mais me impressionou nesses jogos, para além dos dois jogadores que mencionei acima, e do lateral-direito, o tal com nome de maratonista etíope, foi a capacidade física. Corriam como autênticos papa-léguas.

 

Aliás, essa foi uma característica que as equipas deste grupo, com excepção da Grécia, todas revelaram. O bocadinho que vi do Rússia x Polónia, deixou esfalfado!  

 

Pois é, os nossos amigos checos tiveram o azar de, numa daquelas conjugações astrais, tão pouco frequentes como o alinhamento de Júpiter com Saturno (ou Marte, tanto faz, que não percebo peva disso!), apanhar com uma selecção portuguesa onde todos estiveram bem.
 
 

 

 

Até o Hélder Postiga, ao lesionar-se e dar espaço para a entrada do Hugo Almeida. É verdade, se o Nelson Oliveira é tão bom, porque é que não entrou ele para o lugar do Postiga?

 

Gosto muito do Hélder, mas o Bombardeiro, naquela equipa faz toda a diferença. Cria uma ruptura com o estilo de jogo, e impõe-se fisicamente como, nem o Postiga, nem o Nelson Oliveira são capazes de fazer.

 

O jogo rendilhado da selecção, com qualquer um dos dois tem tendência para afunilar-se, e qualquer defesa que lhe apanhe o jeito, está nas suas sete quintas e dificilmente abrirá brecha. Com o Hugo, por muito pouco que faça, por muito que falhe ou que caia em fora-de-jogo, o físico desgasta e arrasta os defesas, permitindo entradas, olha, como a do golo do Cristiano. Que coincidência!

 

Por mim, mantinha a aposta contra um Piqué, com a cabeça na Shakira (vá lá, não se ponham com trocadilhos de cabeças!), e um Sérgio Ramos, que é uma espécie de enxerto a central.

 

Mas, como eu dizia, deu-se o caso de, contra a República Checa, todos terem estado bem. O João Pereira, teve os seus lapsos sempre que tentou partir para a ofensiva, mas, defensivamente anulou o homem que lhe apareceu pela frente.

 

Do outro lado, o Coentrão bem, dentro daquilo que vem fazendo. Os centrais, impecáveis, mas o Baros também não lhes deu muito que fazer.

 

No meio-campo, o preterido pelo Carlos Queirós(oz), João Moutinho, do costume. O bundão do Scolari, a jogar, e pasme-se, bem. Tanto a trinco-trinco, como quando subiu ligeiramente no terreno, após a entrada do Custódio. E o Raúl Meireles, a fazer o seu melhor jogo.

 

No ataque, o Ronaldo em bom nível, acompanhado por um Nani, melhor do que contra a Holanda, ainda que abaixo do que fez aquando do embate com a Dinamarca.

 

Agora com a Espanha como será? Os centrais sem avançado fixo a quem marcar. O que fará o João Pereira se apanhar com o Pedro Rodríguez, chato e extremo a sério, em vez do Iniesta, sempre a fugir para dentro do terreno?

 

O Cristiano Ronaldo irá acompanhar o Arbeloa, ou irá deixar o Coentrão, o Moutinho e o Veloso a haverem-se com ele, e mais com o David Silva e o Xabi Alonso, a entrar pelas costas?

 

Ouvi ontem o Del Bosque a queixar-se/comentar que a Espanha iria ter menos quarenta e oito horas para recuperar que a nossa selecção. E precisa?

 

Aquele jogo com a França - que decepção foram os gauleses – não me pareceu ter exigido assim tanto, como tudo isso, da La Roja.

 

Entre falhas de marcação e de posicionamento, pouca vontade, e três médios defensivos, mais o Clichy, a marcar à zona o Silva, e a esquecer-se do Xabi, como no golo, os azuis foram decepcionantes.

 

O I que faltava ao PIS era a Itália. Contra uma Inglaterra fora do euro, e que agora está também de malas feitas do Euro, uma squadra azzurra à imagem do País: tecnocrática.

 

Perante isto, o rasgo só podia sair de onde saiu, dos pés do Pirlo, com aquela panenkada (ou terá sido, postigada?) que desmoralizou os bifes. No entanto, nota-se que os trinta e três anos já pesam, e não necessariamente apenas no prolongamento. Vê-se que a equipa se ressente disso.

 

Depois, com aquele Ballotelli a desperdiçar lá adiante, não há muito mais que fazer. É aguentar estoica e tecnocraticamente o balanço. Ontem os ingleses também não tiveram rasgo para mais.

 

É difícil, convenhamos, quando se deixam os dois avançados à mercê de três centrais italianos, e o único fulano que parecia capaz de levar a bola para a frente era o Steven Gerrard, que durou, enquanto durou (sessenta/setenta minutos, não apontei).

 

Parece-me que vai estar nas nossas mãos (ou melhor, pés), deitar por terra a vontade de monsieur Platini.

 

Oxalá mandem o embaixador Eusébio convalescer para casa, para ver se toda a gente se concentra no que é essencial, que para substituir o Postiga, já chegam o Hugo Almeida e o Nelson Oliveira.

sinto-me:
música: Working with fire and steel - China Crisis
publicado por Alex F às 13:28
link do post | comentar | favorito

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O Euro da crise do euro

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds